Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

07 julho 2014


ALGUMAS POUCAS LINHAS SOBRE A
GUITARRA E OS GUITARRISTAS  -  26
Se no número 25 desta série focalizamos Johnny St. Cyr, um guitarrista e banjoista ligado ao JAZZ dos mais tradicionais, este número 26 é dedicado a um músico de escola das mais avançadas no JAZZ. 
DEREK BAILEY nasceu em 29 de janeiro de 1930 em Sheffield, Inglaterra, vindo a falecer aos 75 anos, no dia de Natal de 2005, em Londres.
Sempre informou que seu aprendizado deveu-se às audições da rádio inglesa, a partir das quais e, como auto-didata, “graduou-se”.
Pela constituição musical da família pode-se afirmar que essa informação contém um “pouco” de exagero, já que sua mãe tocava piano, o irmão dela e tio de DEREK era guitarrista e, ainda mais, seu avô paterno era pianista e banjoista profissional.
Com a idade de 22 anos e de 1952 até 1962, portanto durante cerca de 10 anos, foi guitarrista de música comercial, para em seguida formar o trio “Joseph Holbrooke”, com ele à guitarra, Gavin Bryars no baixo e Tony Oxley na bateria.     A denominação do trio referia-se ao músico inglês Joseph Holbrooke, alcunhado de “Wagner cockney”.      Os 03 integrantes do trio eram, obviamente, ingleses como DEREK. 
O trio atuou de 1963 até 1966, inicialmente voltado com intensa paixão para a música de John Coltrane, assim como para as experiências de John Cage e, particularmente, para as novas concepções do fenomenal trio Bill Evans / Scott LaFaro / Paul Motian.
Em 1965 o trio de DEREK passa a dedicar-se à “improvisação total e/ou livre”, na linha do denominado “free jazz”.
DEREK incorpora-se em 1966 ao grupo do baterista John Stevens, o “Spontaneous Music Ensemble”.   Nesse grupo estreita amizade pessoal e musical com o saxofonista (tenor e soprano) Evan Parker.
Ato seguido DEREK faz parte da “London Jazz Composer’s Orchestra” do contrabaixista Barry Guy.     Com esse contrabaixista e o trombonista Paul Rutherford une-se ao grupo “Iskra 1903” e à formação “Musician’s Cooperative Association” (“MCA”), onde atuam Evan Parker, o pianista Howard Riley e os bateristas Paul Lytton e Tony Oxley.
O “MCA” dedica-se a divulgar a música baseada na “improvisação livre”, para o que seus músicos promovem festivais e dezenas de concertos.     Esse núcleo dá origem à “Music Improvisation Company”, que atua de 1968 a 1971 e que conta com as participações de Hugh Davies nos sintetizadores e de Jamie Muir à bateria.
Em sociedade com Evan Parker e Tony Oxley, no ano de 1970 DEREK cria o selo discográfico “Incus”, totalmente dedicado à “improvisação livre”.    Esse selo passa a publicar o trabalho do grupo internacional “Company”, que na realidade não foi um grupo permanente, mas um “espaço” por onde circularam e gravaram Terry Day, Anthony Braxton, Johnny Dyani, Misha Mengelberg, Leo Smith, Lol Coxhill, Steve Lacy, Steve Beresford, Maurice Horsthuis, Han Bennink, Maarten Altena, Tristan Honsinger e muitos mais, todos ligados à denominada “improvisação livre”.
A partir de 1969 DEREK BAILEY gravou mais intensamente, participando ainda do grupo “Globe Unity Orchestra” do líder Alexander Von Schlippenbach.
Em 1980 DEREK publicou o livro “Improvisation, Its Nature And Practice In Music”, na verdade uma coletânea de entrevistas de músicos dedicados à “improvisação livre” em vários contextos, tais como e entre outros JAZZ, música barroca, rock, música indiana etc, entrevistas essas devidamente comentadas;  trata-se de  verdadeiro tratado a favor dessa denominada “improvisação livre”.
Sem sombra de dúvidas DEREK BAILEY é o maior representante do máximo radicalismo na “improvisação livre”, o que é sobradamente demonstrado por suas gravações e pelas habituais apresentações ao vivo, enquanto solista ou no contexto do grupo “Company”.
Todo o trabalho musical de DEREK é um permanente afastamento de quaisquer codificações ou sistematizações de “estilos” instrumentais, assim como do tradicional  “ordenamento” musical característico do JAZZ e da música do ocidente.
Os solos de DEREK são “módulos”, “células”, nunca “temas” ou melodias conhecidas, das quais se afasta categoricamente.    Seus “módulos” estão relacionados e um sistema tonal em que a “lógica” harmônica é intermitentemente sacudida por acordes aleatórios.   Pode-se entender um certo, digamos assim, “lirismo negativo”,  uma música de superfície árida mas conteúdo vibrante, já que DEREK desconstrói e sistematiza partes, em oposição às convenções jazzísticas.
Além dos solos contidos nas gravações indicadas ao final, um exemplo clássico de seu guitarrismo dentro da “improvisação livre”, pode ser ouvido na composição “Untitled” com 5’24”, gravada em Paris (01/fevereiro/1985, ano de seu falecimento) em duo com o saxofonista soprano Steve Lacy;  os dois são os autores da composição (parte do CD “Steve Lacy Duets: Associates”, anexado è edição de outubro de 1996 da revista italiana “Musica Jazz”).
Algumas gravações recomendadas de DEREK BAILEY, dentro do contexto de “improvisação livre” em que ele atua, são:
-        1971  =  Solo Guitar;
-        1971  =  Improvisations For Cello And Guitars (com Dave Holland);
-        1974  =  Together;
-        1974  =  Duo (com Anthony Braxton);
-        1977  =  Improvisations.
Retornaremos à guitarra e aos guitarristas em próximo artigo
apostolojazz@uol.com.br

Nenhum comentário: