Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

29 outubro 2012

PAUL WINTER, QUEM SE LEMBRA ?


A  gravadora americana “Living Music” está anunciando o lançamento de um álbum duplo, reunindo gravações inéditas do sexteto universitário de Paul Winter, registradas durante sua excursão realizada em 1962 pela América Latina, incluindo naturalmente o Rio de Janeiro. Conterá também a gravação de uma apresentação especial feita na Casa Branca a convite de Jacqueline Kennedy. Vale a pena lembrar algumas passagens ocorridas na época, quando a Embaixada Americana fez de tudo para bem divulgar o sexteto, cujas apresentações tinham como  coordenador o letrista compositor e crítico Gene Lees. 

Em 11 de junho foi oferecido um coquetel à imprensa na Mesbla, seguido da primeira apresentação do grupo na Escola Nacional de Música. No dia seguinte, apresentação do sexteto na TV Continental, seguido de uma mesa redonda com a participação de Gene Lees, Warren Bernhardt, Sylvio Tullio Cardoso, Luiz Carlos Antunes, Seu Silva (CBS Records) e Valdo Moreira (TV Continental). Além disso, extra oficialmente aconteceram algumas canjas no “Bottle’s Bar”, com o sax-barítono Les Rout e o baterista Harold Jones. 

O sexteto que visitou o Brasil tinha a seguinte formação:  Paul Winter (as)-Dick Whitsell (tp)- Les Rout (sb)- Warren Bernhardt (p)- Richard Evans (b) e Harold Jones (dm), havendo destaque absoluto para a seção rítmica onde despontava Harold Jones, no futuro o baterista de Sarah Vaughan. 

Na época também foi lançado pela CBS um LP do sexteto que, na verdade, não entusiasmou a crítica.

Um comentário:

Anônimo disse...

Mestre:

Bela recordação !
Vale conferir em seu blog, "O Assunto É Jazz".

APÓSTOLO