Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

25 junho 2012

DJANGO REINHARDT


Ao famoso guitarrista belga foi dedicado o último número da coleção “Mitos do Jazz”, vendida em bancas de jornais. Achamos que foi o o melhor disco dessa coleção , mostrando Django em plena forma, em gravações dos anos 30 e 40, liderando grupos franceses e ingleses . Django toca não só conhecidos “Standards” como também alguns originais de infinita beleza. Valorizando o disco temos a presença de Stephane Grappelly em algumas faixas, dando a forma ideal ao quinteto de cordas. Sobre Django disse Grapelly : “Tocar com Django era como ser acompanhado por uma orquestra inteira.” Imperdível.

2 comentários:

Beto Kessel disse...

Ainda hoje muitos grupos reproduzem a formação do Quinteto do Hot club de france, onde Django, Grappelli & Cia davam as cartas.

Sinal de música boa não tem idade...

Com a internet a garotada descobre a sonoridade e se o negócio é bom, fica para sempre.

Obs. Sou suspeito para falar pois sou fan de carteirnha de Stephanne Grappeli e somente não fui assisti-lo em 03.09.1988, quando ele voltou ao Brasil para tocar pela segunda vez (dizem que a primeira foi muitos anos antes), pois no mesmo dia e horário estava me casando.!!!

Abraços,

Beto

Anônimo disse...

Mestre LULA:

A coleção com 20 fascículos poderia ser bem melhor; todavia os exemplares dedicados a Billie e a Django valem pelo todo.
De resto e como diz um velho amigo, "melhor JAZZ com erros que axé com acertos".

APÓSTOLO