Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

30 agosto 2011

ALGUMAS POUCAS LINHAS SOBRE A
GUITARRA E OS GUITARRISTAS - 13


Lester William Polfus, artisticamente LES PAUL e alcunhado no meio musical como o “Wizard of Waukesha”, nasceu no dia 09/junho/1916 em Waukesha, uma das 151 grandes cidades do estado de Wisconsin.
Desde muito pequeno mostrou dotes para a música, aprendendo de forma auto-ditada a tocar a harmônica, o banjo e em seguida a guitarra.
Profissional desde os 13 anos e sob o pseudônimo de “Rhubarb Red” tocava música “country” em clubes, restaurantes, bares, cafés e na rádio de Waukesha. Por essa época chegou a gravar 02 discos, um deles como “Rhubarb Red” e outro no seção rítmica da banda de Georgia White.
Com a idade de 14 anos instalou-se no Missouri (Springfield), onde formou duo com “Singing Joe” (Joe Wolverton).
Dois anos mais tarde, em 1932, mudou-se para Chicago desenvolvendo carreira-solo na música “country” e, também, tocando JAZZ com artistas já consagrados, tais como e entre outros Roy Eldridge, Louis Armstrong, Art Tatum e Eddie South.
Em 1936 formou um trio com o irmão de Chet Atkins, Jimmy Atkins / piano, trio completado com Ernie Newton / baixo.
Esteve em New York de 1938 a 1940, contratado pelos “Pennsylvanians” do líder Fred Waring, obtendo reconhecimento no meio musical.
Retornou a Chicago como diretor musical das emissoras de rádio WIND e WJJD e em 1943 formou novo trio para acompanhar o cantor Bing Crosby, que também o animou mais tarde a montar seu estúdio próprio de gravação (1946).
Foi contratado pelo empresário Norman Granz (16/agosto/1918 a 22/novembro/1998, fundador dos selos VERVE, CLEF, NORGRAN e PABLO), e esteve presente no “1º Jazz At The Philharmonic” (“JATP”) promovido por Norman, realizado em 02/julho/1944 no Philharmonic Auditorium, em Hollywood.

O grupo nessa ocasião formou com Shorty Sherock / trumpete, J.J.Johnson / trombone, Jack McVea / sax.tenor, Nat “King” Cole / piano, Red Callender e Johnny Miller/ baixo, Lee Young / bateria e, claro, LES PAUL na guitarra.

Esse time apresentou e deixou gravados os temas “Lester Leaps In”, “Tea For Two”, “Blues”, “Body And Soul”, “I’ve Found A New Baby”, “Rosetta” e “Bugle Call Rag”. Esses espetáculos de JAZZ promovidos por Norman Granz sob o título de “Jazz At the Philharmonic” (“JATP”) foram durante décadas um símbolo de excelência em concertos de JAZZ.
LES PAUL tornou-se famoso pela implantação do primeiro gravador multi-pista, que permitia gravar até 08(oito) partes da guitarra. Utilizou de forma inovadora muitos métodos eletrônicos, entre os quais a câmara de eco, as variações de velocidades de movimento das fitas sonoras durante as gravações, a gravação sobre gravação (inicialmente a gravação multi-canal com trilhas superpostas), que não foram feitas com fita magnética, mas sim com discos de acetato.

LES PAUL “gravou-se” à guitarra em uma trilha em acetato, para em seguida “gravar-se” tocando uma segunda parte na guitarra junto com esse disco original, continuando a “gravar-se” em uma terceira parte com esse segundo disco e assim por diante até completar a gravação das 08 partes; mais tarde desenvolveu esse mesmo processo, sómente com as gravações em trilhas paralelas ao invés de superpostas; até dar-se por satisfeito com o resultado técnico LES PAUL consumiu mais de meio milhar de discos de acetato.
Entre suas gravações mais representativas e dedicadas ao JAZZ dessa época, LES PAUL deixou registrados para a Capitol Records, em um 78rpm, os temas “Lover” (“When You’re Near Me”) no lado “A” e “Brazil” no lado “B”, que alcançaram estrondoso sucesso comercial.
Essas gravações de “Lover” e de “Brazil” foram iniciadas experimentalmente no estúdio de LES PAUL (à época instalado em sua garagem), em que ele gravou as partes de guitarra em velocidades diferentes: algumas na velocidade normal e outras em meia velocidade, de tal forma que quando editadas para a gravação final, soaram com o dobro da velocidade.
LES PAUL sofreu grave acidente automobilístico, com grande risco de perder o braço direito, mas um cirurgião admirador e amigo seu conseguiu preservá-lo, ainda que isso lhe trouxesse limitações que o obrigaram a atuar com um tipo especial de guitarra.
Em 1949 deixou de priorizar o JAZZ e passou a dedicar-se à música popular em companhia de sua mulher, com quem se casou nesse ano, a cantora Mary Ford (aka "Colleen Summers"), duo “voz/guitarra” que gravou diversos discos de grande sucesso.
Ainda assim ganhou diversos “discos de ouro” e foi o vencedor das enquetes de 1951 e 1953 da revista “Down Beat”, como melhor guitarrista de JAZZ desses anos.
Durante anos LES PAUL fabricou suas próprias guitarras, inovou os modelos e os processos de fabricação, até criar, se não a primeira, pelo menos uma das primeiras guitarras com corpo sólido de madeira, sendo que a “Gibson Guitar Corporation” chegou a fabricar algumas dessas guitarras em 1950, com a denominação de guitarra “LES PAUL”, isto é, sem a “assinatura Gibson”, para anos mais tarde (1952) adotá-la com a marca “GIBSON LES PAUL” (em decorrência do sucesso de vendas da guitarra “LES PAUL”, assim como do sucesso da concorrente “Fender” que havia lançado a guitarra “Broadcaster”, mais tarde denominada “Telecaster”), desde então um “sonho de consumo” para guitarristas profissionais e amadores.
Guitarras “LES PAUL” da Gibson vêm sendo usadas por, entre outros, Jimmy Page, Joe Perry, Adrian Smith, Peter Frampton, Gary Moore, Paul McCartney, Kurt Cobain, Jeff Beck, Eric Clapton, George Harrison, Phil Campbell, Gary Rossington, John Fogerty, Pete Townshend, Tommy Thayer, Randy Rhoads, Zakk Wylde, Dave Grohl, Kirk Hammett e Billie Joe Armstrong.
Como se nota por essa lista e em tudo ligado à música, os eternos caroneiros executantes de rock, a não-música de 02 acordes e gênero bisneto bastardo do “Blues”, apropriaram-se do rótulo da guitarra como se seu idealizador “nadasse nessa praia”, mas sendo importante ressaltar que LES PAUL fez toda a sua carreira no JAZZ e na música popular (ao lado de sua esposa), jamais decaindo para o rock.
Após afastado por cerca de 10 anos da cena musical, LES PAUL retornou às atividades de apresentações e gravações, destacando-se sua série “Les Paul Trio” para o selo “Tops”, além de gravações para a Capitol, a Decca e a RCA.
Gravação particularmente recomendada é a editada em 1991 pela “LaserLight”, série “digital stereo” (15.741), em que temos LES PAUL à guitarra acompanhado por Jimmy Atkins / piano, Ernie Newton / baixo e, em algumas faixas, por sua esposa Mary Ford: “Lazy River”, “Swanee River”, “Embraceable You”, “I Can’t Believe You’re In Love With Me”, “Indiana”, “Stardust”, “My Melancholy Baby”, “At Sundown”, “I Found A New Baby” e “Honeysuckle Rose”, são alguns dos 21 temas dessa gravação em CD.
Entre outras gravações importantes de LES PAUL podem ser citadas:

- “Blue Skies” e “Begin The Beguine” de 1944;
- “Blues” e “Lester Leaps In”, também de 1944, citadas quando mencionamos seu trabalho no “JATP”;
- “September In The Rain” de 1945;
- “Vaya Con Dios”, com Mary Ford, de 1953;
- “Caravan” com Chet Atkins, de 1976.
Técnicamente LES PAUL é excepcional na guitarra e, no JAZZ, é improvisador dotado de profundo sentido harmônico que desenvolve com “swing” bem marcado, encadeando frases em “legato” com lirismo impressionante, muita sensibilidade e sem nunca abrir mão do humor.
Em documentário de 1994 intitulado “LES PAUL”, devidamente produzido pela “National Arts” (apresentação de Mike Baker), temos um pouco da história do grande LES PAUL que nos deixou recentemente com 93 anos, com tomadas de seus shows das segundas-feiras no “Fat Tuesdays” de New York, assim como entrevista com o mesmo em que ele nos conta como chegou à multi-gravação.
LES PAUL veio a falecer em 13/agosto/2009 no hospital de White Plains, devido a complicações decorrentes de pneumonia, cercado da família e de amigos.



Retornaremos à guitarra e aos guitarristas em próximo artigo
apóstolojazz@uol.com.br

6 comentários:

Anônimo disse...

Prezado Apóstolo,
Está dando sopa na programação da NET um documentário sobre o Les Paul- não sei se é o mesmo - que mostra tudo dele, desde sua infância até suas últimas aparições regulares, nas segundas feiras do Iridium Club, em NYC.
Curiosa a declaração dele, já no final dos seus gloriosos tempos, de como só duas coisas importavam na sua vida naquele momento: ir ao banheiro todos os dias, e, as sagradas noites de segunda no Iridium, onde tocava com seus convidados.
Estamos falando do mesmo filme?
Abração.

MauNah

APÓSTOLO disse...

Prezado MauNah:

Exatamente o mesmo filme, que nos mostra tanto desse mago da guitarra (tocando e fazendo suas guitarras).

Érico Cordeiro disse...

Mestre Apóstolo,
O legal do Les Paul é a sua atemporalidade e a sua interação com muitos outros gêneros musicais.
Músicos de todos os gêneros (rock, pop, jazz, blues, R&B, country, etc.) o reverenciam e pagam tributo à sua genialidade.
Uma bela homenagem a um verdadeiro desbravador.
Abração!

llulla disse...

Meu caro Apóstolo,
Eu incluiria entre as gravações importantes de Les Paul, o famoso Body and Soul com os J.A.T.P. quando produz um fantástico dueto com o piano de Nat King Cole.
abcs.
llulla

APÓSTOLO disse...

Mestre LULA:

Sem citar especificamente a magnífica faixa "Boby and Soul" (10'25") de 02/julho/1944, citei o "The First Concert" do JATP com Les Paul incluido (mais Shorty Sherock, Illinois Jacquet, Jack McVea, J.J.Johnson, Nat "King" Cole, Red Callender e Les Young).

llulla disse...

Então está tudo certo.
abcs.;
llulla