Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

14 janeiro 2011

PODCAST # 33




PARA BAIXAR: http://www.divshare.com/download/13761023-fa1

2 comentários:

APÓSTOLO disse...

Estimado MÁRIO JORGE:

Mais uma jóia de "pod", que já foi para os arquivos.
Abertura matadora com LENNIE NIEHAUS, que além de músico é um mestre nos arranjos e permanente escudeiro de Clint Eastwood em suas trilhas sonoras cinematográficas.
Bela recordação do "Jazz Piano Solo" do Municipal, com os 04(MM, EL, TW - homenageando Count Basie, com tema do repertório da "máquina de fazer swing" - e o grande EH no clássico "I Cover...) desfilando pérolas.
Museu de Cera impecável resgatando Venuti, "navegando"(assim nasceu) em "Sweet Sue,..." com uma respeitável formação.
Houston Person relendo Monk, com um baterista superlativo, Frank Jones, cujo solo após o órgão é um achado - uma senhora "canhota".
O jamaicano Monty Alexander emulando Peterson, Lou Donaldson em plena forma e Kai Winding com o tema que tornou-se sucesso discográfico na interpretação de Sammy Davis Jr., "Hei There".
Mais uma vez e como já é hábito, PARABÉNS e grato pela música.

Nelson disse...

Alô Mário,

Agora, já confortado de que v. e o nosso velho confrade Tibáu, nada sofreram com o "desastre serrano" do Rio de Janeiro, ouvimos essa "nata jazzistica" proporcionada pelo seu "Podcast".

Lennie Niehaus dispensamos nossos comentários, pois o acompanhamos desde os primórdios em sua carreira profícua e antológica.
Agora, o tal de Frank Jones é um arrazo. Que "pulse", que "drive" de mão esquerda, que divisão. O "cara" é esquisito - por seus sumiços, como v. bem o diz - mas um superlativo. Há muito não ouço um baterista como ele.
Monty Alexander excelente e o meu velho trombonista Kai Winding é um lírico. Temas do "pod" muito bem selecionados.
VIVA O JAZZ !!!!!!
Meus cumprimentos habituais e, mais que mereceidos,pelo bom gosto e carinho com os aqui ouvintes.
Abçs.
Nelson Reis