Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

30 agosto 2010

Shelly Manne - Speak Low

6 comentários:

APÓSTOLO disse...

TANDETA:

Esse take nos traz um dos saxofonistas (tenor) que mais aprecio - Richie Kamuka.
Ao piano um mestre dos acordes em bloco, Russ Freeman.
Delícia !

Nelson disse...

Confrade Tandeta,

"Na mosca". Esta série de programas do Oscar Brown Jr. para a TV, é uma "quintessencia". Manne, estava no auge - nesta época - mostrando sua classe, tecnica e inventividade, juntamente com Kamuca, Russ,Condoli e Budwig.
Obrigado pelo post.

Nelson Reis

Andre Tandeta disse...

Amigos Apostolo e Nelson,
eu na verdade queria dedicar esse post a voces dois e mais o Palmeira que foram as pessoas que me indicaram aqueles discos antologicos gravados ao vivo com esse quinteto no Blckhawk.
Então um pouco atrasada fica aqui a homenagem aos tres amigos ,amantes do jazz e grandes figuras .Com respeito admiração e carinho,um abraço do Tandeta pra voces.

Anônimo disse...

Prezado Tandeta,

Concordo inteiramente sobre Richie Kamuca - foi um dos mais subestimados tenoristas da sua época, ao lado do fabuloso Bill Perkins, outro grande esquecido.
A propósito, Kamuca e Perkins formaram um triunvirato com Al Cohn no CD "The Brothers".

A propósito de Bill Perkins: referindo-se a ele, Stan Getz declarou à Down Beat em 1955: "De todos os tenoristas de hoje, nenhum de nós iguala-se a Bill Perkins". E tinha toda razão...

Palmeira disse...

Muito obrigado pela lembrança, Tandeta. Sou fascinado por esses discos, em que há sempre surpresas para perceber e prestar atençao, não importa quantas vezes os ouça. O volume 4, por exemplo, tem um A Gem From Tiffany, fiquei com essa faixa na cabeça porque usei certa vez num Blindfold test que montei, que é uma coisa de maluco. Todo mundo (Kamuca, Joe Gordon, Victor Feldman) arrebentando em "fast tempo", um "cool pauleira", e no final Shelly Manne faz eu não diria um solo mas uma pequena cadenza à bateria e que termina "deceptively" de um jeito que não há como não sorrir de satisfação a cada vez que se ouve! Não bastassem o contato com grandes figuras (como vc) e o fato de aprender / conhecer muita coisa boa por aqui, minhas andanças (ultimamente rarefeitas) por este blog estariam plenamente justificadas por ter chamado tua atenção pra esses Shelly Manne & His Men At The Black Hawk. Valeu o post! Um abraço

Andre Tandeta disse...

Valeu ,Palmeira! Shelly Manne e' um Mestre que eu reverencio sempre e esse quinteto e' simplesmente sensacional. As performances de todos os musicos nesses discos são de altissimo nivel e devem ser ouvidas sempre por quem gosta realmente de jazz.
Abraço