Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

01 março 2010

ALERTA

Nosso Tenencio, antenado com a crítica e comentaristas especializados e a quem desde logo agradecemos, anotou, em um comentário abaixo, o post de Ted Gioia para o importante site jazz.com (http://jazz.com/jazz-blog/2009/7/7/ugly-news-on-the-jazz-audience), que, sem dúvida, tanto ele, como o tag que lhe sucedeu, de Francesco Martinelli, tem como tema central justamente uma das maiores preocupações de nossos editores, desde a criação do CJUB: a dificuldade de captar novos fans de jazz, entre os jovens e, mais, o declínio numérico desta audiência jovem, deveras preocupante, nas últimas 3 décadas, entre os amantes e interessados no gênero. Eis a íntegra do post e tag, que merecem atrair repercussão:

July 07, 2009 · 1 comment
Ugly News on the Jazz Audience

A few days ago, the National Endowment for the Arts published the summary findings of its study on arts participation in the United States. The media has not given much publicity to this report, but for anyone concerned about the state of the arts in America, the results are a warning sign.

And the findings about the jazz audience in the United States are especially troubling.

NEA survey

Let me share three tables from the survey. The first looks at the average age of attendees at cultural events. The numbers show that the audience for all types of activities is aging, but the change in the jazz audience is so drastic, that one can scarcely believe what the numbers say. According to the survey, the average age of a jazz event attendee in 1982 was 29, but in 2008 the average age was 46. As hard as it is to believe, the age of the typical jazz fan has increased by seventeen years in just two-and-a-half decades.

The most likely—indeed the only plausible—explanation for these numbers is that very few new fans have discovered jazz since the 1980s. The old fans continue to follow the music, but teenagers and twenty-somethings have very little interest in jazz.

NEA survey

A second chart supports this view. It looks at cultural event attendance for people between the ages of 18 and 24. Except for art museums, all other categories show a decline, but the drop in jazz attendance is enormous—a 58% shrinkage since 1982. The conclusion is indisputable. Jazz has lost most of its younger audience.

This is all the more unsettling, when one considers how much jazz education has expanded during the last two decades. When I was in college, jazz studies hardly existed. African-American music of all sorts was kept out of the curriculum. I still recall the chilly response I received when I played Scott Joplin's "Maple Leaf Rag" for my freshman piano audition. (The requirement was to play a movement from a Beethoven sonata, or something of the equivalent level of difficulty.) Yet jazz was very popular with the students, even if it rarely showed up in a classroom. Nowadays, jazz is accepted at virtually every institution of higher learning. Yet, judging by the NEA study, the students don't have the same level of interest as they did back when it was excluded.

I recently shared in this column my view that jazz was in a state of crisis. Certainly the NEA study only confirms the worst possible interpretation of recent events. Many of us would like to believe that the current collapse in many long-standing jazz institutions is simply a temporary situation, driven by the overall economic malaise. The NEA study suggests that a more chronic problem exists, and that even a reversal in employment figures and home prices won’t be enough to prop up the dwindling jazz audience.

NEA survey

If there is one positive sign from the NEA study, it comes from the figures on the online audience for music. Close to fifty million Americans have some exposure to music via the Internet each week.

This could be a pathway toward expanding the audience for jazz and other performance genres. But the current attitude in the music business, which tends to view the web as the enemy, is not a promising foundation for building on this platform. For the time being, the industry is using every tool at its disposal—litigation, lobbying, technology, bullying—to slow down the growth of a web-based audience.

Maybe if they play hardball long enough, they will force people to give up on MP3 files and go back to the jazz clubs. But the evidence of this study suggests otherwise.

Only the summary findings of the NEA study have been made public so far. It will be interesting to see what the full results will show.

This blog entry posted by Ted Gioia

Tags:

* 1 Francesco Martinelli // Jul 20, 2009 at 03:38 PM
I think it's hardly surprising, given the kind of music boys and girls are listening to in their formative years. It's a sea change in listening habits, due to the incorporation of music within a multitasking environment, where the idea of staying relatively still and silent on a chair while focusing on one thing only is totally foreign to them.

I see this in class - they instantly start fiddling with telephones and other gadgets, thinking they can listen to music while texting or whatever. Sadly, too many musicians - even great musicians - involved in jazz education do not push enough their students to listen to jazz. In fact, if they could take time off the teaching - sometimes difficult due to pressure from their institutions - and ask to their students what they are actually listening to, or just gently detach earphones and check first-hand, they could better understand what is going on. The listening habits of the young people coming to "jazz education" are the same, or almost the same, as their age class, and sadly many of them do not listen to "jazz" at all, or very little, even before releasing their own Cds.

I can quote countless cases - the piano player who played "Take The A Train" at audition but never heard Duke's rendition (he was contracting into a Keith Jarrett imitation clawhand even before playing one note), the amazement of piano students LISTENING to "Straight No Chaser" and realizing that the realbook has a version "for dummies", or the group playing Horace Silver pieces without having ever heard them on records. In many of these cases, "teachers" taught these compositions without ever going back to their performance history.

This might seems innocuous, but is in fact the interruption of the "oral" transmission line, which was since long granted by recordings. If this connection is severed, the young students do not even think, or need, to actually listen to the music, on records or live. And believe me, if you present the music in its time and its classic recordings as live and contemporary they love them. Of course, if you just go and tell them "Listen to all the Hot Five and Seven recordings" they download the box and promptly forget them after trying to listen once - it's like telling somebody to go and read Iliad in original without knowing Greek. But if you paint them the blind singer on an Aegean island scaring the shit off his listeners with tales of blood and fight, and then making them cry with romance, they do listen...as they listen to Weatherbird and Black Bottom Stomp in the proper condition, and are moved even to clap their hands in enthousiasm.

I recently tried to discuss some key points of jazz history with young musicians (no names) and they never heard of Duke Ellington's Ko Ko; a student writing a thesis on it was "listening" to a lousy 128 Kbps mp3 file of it GIVEN BY THE TEACHER and was shocked to hear it on loudspeakers properly played. Digital promised us perfect sound forever and gave us forever degrading sound, but this is another (not unrelated) subject.

Mind you, this is exactly what is happening with classical musical education, where teachers and students simply do not go to listen to live music (I am talking about classical and opera) so that schools are giving credits for going to concerts, which I thought very odd: if you have a passion for music pushing you to make it your profession, you should be hungry for concerts, but apparently this is not the case. So let us all do whatever we can to avoid jazz education mirroring the defects of classical music teaching.

My two (Euro) cents' worth...

12 comentários:

APÓSTOLO disse...

Prezados Bene-X e Tandeta:
Tenho a quase certeza de que se for feita pesquisa abrangendo os ouvintes de música de todos os gêneros, de 1960 aos dias de hoje, constataremos que o JAZZ, a música clássica, a ópera, o samba de raiz, a música sertaneja autêntica e de mais MÚSICAS, todos esses gêneros terão perdido espaço entre os jovens.
A captação de novos ouvintes para música de qualidade, sempre será diretamente proporcional à exposição a que esses ouvintes forem submetidos. É impossível que uma programação de rádio, de televisão, de revistas, de jornais, de lançamentos de CD's e DVD's e de todos os demais meios de divulgação acústicos, visuais e impressos que tem primado pelo quase nada, pela pobreza de conteúdo, pelo continuado apelo ao sexo vulgarizado, pelo grosseiro "tam-tam", possa gerar jovens, novos ouvintes, apreciadores do bom, do belo.
Assim e a meu pobre juizo, o JAZZ não é uma exceção, mas mais um sofredor da falta de qualidade que é impingida a todos.
Infelizmente...

MaJor disse...

Qualquer conhecimento seja arte ou qualquer outro só passa a interessar se for bem apresentado desde os bancos de escola, principalmente. Tenho 3 netos com 13, 11 e 8 anos e só ouvem baticunbum, porque é isso que ouvem o tempo todo, nas festas, tv filmes de juventude e rádio. Eles sabem que gosto de jazz, vêem eu ouvindo jazz e falam: - poxa vô como você gosta disso, hein? e vão em frente jamais sentaram perto para saber do que se trata. Para eles é algo superior que não tem acesso, não é prático porque a música para eles é um brinquedo para dançar e trocar figurinhas nos ipods que todos tem. Minha neta deixou uma lista no itunes baixada num site e dei uma olhada (ou melhor ouvida)só dá Madona, Beyonce e Shakira, Michael Jackson, Britney Spears e por aí vai... produtos massificados pela indústria, e ai dela se aparecer na escola ou na turma do shopping com jazz, clássico ou ópera no ipod, pode ter certeza que será uma gozação incrível. Então como pode aumentar o número de jovens para essas artes?

Beto Kessel disse...

Ha cerca de uns dez anos atras, voltei a pesquisar os anos 60 e 70 e cai em Marcos Valle, musico e compositor que muito admiro, e meus filhos no carro foram se acostumando e gostaram.

mesmo assim, ate entendo o gosto da garotada pelo POP, mas e gratificante quando eles percebem o tema de abertura das novelas de manoel carlos, com Jobim, Chico, Miucha, e os temas instrumentais de Alberto Rosenblit.

quem sabe isto nao e uma semente que ira desperta-los para algo de mehor qualidade.

Voltando ao Jazz, sempre que vou leva-los a algum lugar, ja vou entrando no carro e colocando Idriss Boudrioua com o Bebop, Victor Biglione, marcos Valle e Zanella, Sergio Mendes e sexteto bossa Rio, Victor Assis Brasil e outros tantos mais.

E uma pequena contribuicao ao meu bem estar ao volante e uma chance deles ouvirem algo diferente

Beto

Andre Tandeta disse...

Amigos,
é isso mesmo, e não é só a musica:todos os sentidos se embotaram. A lingua falada,e não só pelos jovens, é a prova disso. A arte é um reflexo dos tempos. Tudo super high-tech mas grosseiro, tosco e vulgar no conteudo,como nunca se viu. É isso que o sistema em que vive a sociedade humana oferece: a total brutalização do ser humano. Assim fica mais facil manipular. A coisa mais obvia do mundo : conquiste a mente dos jovens e em pouco tempo só existirão verdadeiros zumbis para consumir ,consumir e consumir.
Jazz é uma forma evoluidissima de criação artistica. Requer tempo e atenção para ser apreciado. Tem que estar mesmo "por baixo" pois parece que tudo que leva a contemplação e a reflexão precisa ser banido.
Continuamos com o jazz,sempre.
Abraço

Thiago disse...

Posso estar sendo otimista demais, mas acredito que pelo menos no Rio, o numero de casas com jazz ao vivo vem aumentando (Drink do Humaita, Blu, Zozô, Santo). Com isso o número de shows cresce, a publicidade e a media espontânea também. Tenho visto isso, claramente, acontecer nas programações dos jornais e revistas. Isso faz com que o jazz aos poucos ocupe o espaço que antes era apenas reservado à música para as massas. Não acho que isso seja a solução, mas já é parte de um processo que pode vir a engordar o número de ouvintes de jazz.

APÓSTOLO disse...

Prezado THIAGO:
Que suas palavras, corretas, sejam prenúncio do melhor ! ! !

Andre Tandeta disse...

Como musico profissional atuante no Rio de Janeiro fico contente com a abertura dessas casas,ja tendo tocado em 3 das 4 quatro mencionadas pelo Thiago. Só acho que para uma cidade como a nossa, com tradição na musica, é muito pouco. Mas louve-se essas e mais uma que abriu semana passada em plena Lapa: Lapinha ,dirigida por um musico ,Rui Quaresma,que tem uma grande folha de serviços prestados a nossa musica. Não é uma casa de jazz,esta mais voltada para samba e musica brasileira, mas a musica tocada la é de excelente qualidade.
Tanto ela quanto o Drink Cafe Humaita e o Blu possuem pianos ,de cauda, o que ja faz uma enorme diferença e mostra que ha a intenção de se atingir um nivel de qualidade que hoje ,infelizmente, é rarissimo.
E vejo que assim como o nosso amigo Beto algumas familias tem se esforçado para mostrar aos mais jovens a musica de qualidade,jazz,bossa nova,samba ou classica . Acredito que faça parte da obrigação dos pais ao educar orientar e expor nossos filhos a arte realmente digna desse nome . Minha filha ,ja adulta de 22 anos,sempre gostou das porcarias despejadas em cima das crianças e adolescentes mas como eu no carro e em casa só ouço jazz,musica classica ,cubana ou musica brasileira de qualidade, ela hoje tem entre seus interesses, por exemplo,Elis Regina e Moacir Santos,que ouve assiduamente. Não podemos ser omissos dentro de nossa propria casa. temos a obrigação de resistir ao lixo.
Abraço

John Lester disse...

Mestre Tandeta, sempre incisivo. Mas, quem quer saber do Mindlin quanto temos a Cacau?

Grande abraço, JL

Anônimo disse...

Caros amigos e correligionários,

Em minha opinião essa defecção do público de jazz originou-se há algumas décadas. Especificamente, quando foi desencadeado o rock por Elvis Presley, Bill Halley & His Comets e os inefáveis "rapazes de Liverpool". Essa febre tomou de assalto a juventude do mundo através de uma muito bem dirigida divulgação dos meios de comunicação e o filme "Ao Balanço das Horas" encarregou-se de arrebatar o juventude do mundo. Na sua premiere no cinema São Luiz, a garotada pulou e quebrou todas as cadeiras empolgados pela música da trilha di filme. Como reflexo dessa novidade, aqui surgiu a Jovem Guarda, matando a bossa nova na preferênbcia da nossa juventude. O mesmo aconteceu com o jazz emoutros países. Quantos músicos mudaram de profissão ou foram para o exterior em busca de trabalho ? Todos sabemos disso há muito tempo. Para piorar a situação, os festivais de jazz programam conjuntos pop, DJs e outras barbaridades, e, ior ainda, induzem os jovens a pensarem que tudo aquilo é jazz. Desde quando DJ é músico ? Pois bem, quando trabahava no Globo, na véspera de um Free Jazz, um colega redigiu meia página com a seguinte manchete: "DJs são as maiores atrações do Free Jazz que começa amanhã".
A meu ver, tais ponderações apontem, pelo menos em parte, as razões dos jovens absorverem a música comercial fácil que lhes é impingida pela mídia, gravadoras e empresários. E o mau gosto predomina sempre. Recentemente ouvi na TV um cidadão muito conhecido afirmar que Chororó é o mais afinado cantor brasileiro e Belo é o cantor mais romântico surgido no mundo nos últimos 40 anos !!! Não é piada, isso foi declarado para mihões de espectadores.


Espero estar enganado, mas, por minha longa experiência nas áreas do jazz e da música instrumental, receio estar certo, ao menos em parte.

Keep swinging,
Raf
Raffaelli

figbatera disse...

Alô pessoal do CJUB, vou reclamar de novo: o que houve com a configuração deste blog?
Ficou mais dificil ler as postagens por causa da "largura" da página (antes não era assim)obrigando-nos a "correr" de um lado pro outro na leitura de cada linha... assim não dá!

Quanto ao assunto deste post, eu tbm fiz minha parte, mostrando aos meus filhos durante os passeios de carro e viagens somente música da melhor qualidade, despertando neles o gosto pelo jazz e pela bossa-nova.
Depois, "massacrados" pela mídia, vieram a aderir a outros estilos mas nunca abandonaram o essencial.

MauNah disse...

Há tempos venho defendendo aqui também a alguns artistas que, se não são propriamente jazzistas, tentam dar a algumas de suas interpretações um clima assemelhado ao jazz.

A mera interpretação de "standards" com orquestrações bem elaboradas por maestros de categoria, por cantores/cantoras como Rod Stewart, Jamie Cullum e até a cantorinha brasileira Sandy (o que gerou um post bastante controverso) ainda é melhor do que esses mesmos artistas cantando musica pop e descartável.

E isso pode, de modo marginal e eventualmente, fazer com que os neófitos (a juventude, principalmente) procurem informações e alguém lhes diga que aquilo é jazz. Bingo, marcou-se a palavra na cabeça do novo possível freguês.

Tolero isso, embora descrente de que se transforme boa parte da massa mundial em busca de música em interessados por uma que exija atenção e raciocínio.

Como alguém já disse, o que chamam de música "jovem" hoje, é mero fundo repetitivo e pobre, duas ou três notas e efeitos, que servem de anestésico durante a execução de outras tarefas, visuais ou digitais.

Não há, senão na execução pública e pomposa de bons músicos, e de graça, uma boa chance para se conquistar esses corações.

Mas é um sonho, apenas.

Andre Tandeta disse...

Carissimos amigos,
agora as boas noticias:
Haroldo Mauro Junior,pianista e compositor,professor da UNIRIO esta nos EUA participando como jurado de um concurso de conjuntos de jazz,vindos de coleges e high schools,esta la na pagina dele no Facebook.Pelo que ele conta o nivel é muito bom e alguns dos grupos são formados por musicos bem jovens. E só podem tocar jazz.
Nem tudo esta perdido.
Abraço