Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

24 fevereiro 2010

THE JUBILEE SHOWS - #2


JUBILEE SHOWS - série de programas de rádio produzidos pela Armed Forces Radio Service (AFRS) durante a II Guerra Mundial e distribuídos pelas inúmeras estações militares de rádio e serviços de alto-falantes em acampamentos e bases norte-americanas.

Continuamos com o programa gravado em 26 abril de 1943:

1.TEA FOR TWO (Vincent Youmans, Irving Caesar) - veículo para o clarinete de Barney Bigard "from" New Orleans, recém saído da banda de Ellington onde permaneceu por 15 anos, à época estava na Freddie Slack's Band, é acompanhado pelo piano de General Morgan com Benny Moten (bx) e Paul Barbarin (bat).
2.HIP HIP HOORAY (Frank Loesser) – uma canção que expressa entusiasmo, vitória com o grito de saudação, hip, hip, hurra! na voz da cantora Jewel Paige com acompanhamento do grupo de Red Allen.
3. RUG CUTTER SWING (Henry "Red" Allen) – com a banda: Henry Red Allen (tp e lider), J.C.Higginbotham (tb), Don Stovall (sa), General Morgan (pi), Benny Moten (bx) e Paul Barbarin (bat) e ainda o clarinetista Barney Bigard como convidado.
4. GREAT DAY (Vincent Youmans, Edward Eliscu, Billy Rose) – encerramento clássico do programa com a The Armed Forces Radio Orchestra.


Fonte: CD THE JUBILLE SHOWS Vol.7 – produção de Carl. A. Hällström – Storyville Records (501 1007) – Dinamarca - 2002

2 comentários:

APÓSTOLO disse...

MÁRIO:
Quem sabe, sabe !
Barney Bigard = o máximo de swing no mínimo de espaço; técnica espetacular que percorre desde o agudo ao quase "chalumeau"; a "cozinha" parece que obedece Bigard ao invés de servir-lhe de base. Coda para ninguém botar defeito. A "real tea for all" !!!
"Hip Hip Hooray" entusiasmado, "Rug Cutter Swing" bom para lembrarmos sempre do grande "Red" Allen (e novamente Bigard) e "Great Day" um entusiasmo só.
Que magnífica postagem ! ! !

APÓSTOLO disse...

MÁRIO:
E antes que me esqueça, Barbarin "barbarizando" na bateria !
Se ele não era "moderno" na ocasião, não sei mais quem era.
Assunto para o TANDETA ! ! !