Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

18 julho 2009

DOWNBEAT CRITIC'S POLL 2009




















120 críticos votaram nos melhores do ano da Downbeat. Entre parêntesis os ganhadores da categoria "Rising Stars". Incluo também o segundo mais votado para melhor comparação.

Hall of Fame - Hank Jones, Oscar Pettiford e Tadd Dameron
Artista do Ano - Sonny Rollins - Joe Lovano ( Rudresh Mahanthappa - Anat Cohen )
Disco do Ano - Sonny Rollins ( Road Shows, Vol.1 ) - Joe Lovano ( Symphonica )
Disco Histórico - Anthony Braxton ( The Complete Arista Recordings ) - Miles Davis ( Kind of Blue 50th Anniversary )
Gravadora - ECM - Blue Note
Compositor - Maria Schneider - Wayne Shorter (John Hollenbeck,Guillermo Klein)
Arranjador - Maria Schneider - Carla Bley ( John Hollenbeck - Mark Masters )
Big Band - Maria Schneider - Mingus Big Band ( Jason Lindner Big Band - John Hollenbeck )
Grupo - Keith Jarrett Standard Trio - Wayne Shorter Quartet ( Mostly Other People Do The Killing - Vijay Iyer Quartet )
Cantor - Kurt Elling - Andy Bey ( Giacomo Gates - Jamie Cullum )
Cantora - Cassandra Wilson - Dianne Reeves ( Dee Alexander - Roberta Gambarini )
Trumpete - Dave Douglas - Wynton Marsalis ( Christian Scott - Jeremy Pelt )
Trombone - Steve Turre - Roswell Rudd ( Josh Roseman - Stevs Davis )
Sax Barítono - Gary Smulyan - James Carter ( Claire Daly - Scott Robinson )
Sax Tenor - Joe Lovano - Sonny Rollins ( Donny McCaslin - Marcus Strickland )
Sax Alto - Lee Konitz - Ornette Coleman ( Rudresh Mahanthappa - Miguel Zenón )
Sax Soprano - Wayne Shorter - Branford Marsalis ( Marcus Strickland - Steve Wilson )
Clarinete - Don Byron - Paquito D'Rivera ( Anat Cohen - Chris Speed )
Flauta - James Moody - Lew Tabackin ( Nicole Mitchell - Jamie Baum )
Guitarra - Bill Frisell - Jim Hall ( Lionel Loueke - Kurt Rosenwinkel )
Piano Acústico - Keith Jarrett - Hank Jones ( Vijay Iyer - Gerald Clayton )
Piano Elétrico - Chick Corea - Herbie Hancock ( Craig Taborn - Uri Caine)
Orgão - Dr. Lonnie Smith - Joey DeFrancesco ( Gary Versace - Sam Yahel)
Baixo Acústico - Christian McBride - Dave Holland ( Esperanza Spalding - Avishai Cohen)
Baixo Elétrico - Steve Swallow - Christian McBride ( Stomu Takeishi - Richard Bona )
Bateria - Roy Haynes Jack DeJohnette( Eric Harland - Dafnis Prieto)
Percussão - Poncho Sanchez - Airto Moreira( Susie Ibarra - Daniel Sadownick)
Vibrafone - Gary Burton - Bobby Hutcherson ( Joe Locke - Stefon Harris )
Violino - Regina Carter - Billy Bang( Jenny Scheinman - Christian Howes)
Miscelanea - Toots Thielemans - Béla Fleck/Banjo ( Edmar Castañeda - Harpa - Grégoire Maret/Gaita)

Como o período de votação é o mesmo dá para comparar com a votação do JJA postada em junho.

BraGil

2 comentários:

Bene-X disse...

Guitarra: Bill Frisell e Lionel Loueke ? Nãooooooooooooooooooo ...., please !!!!!!!!!!!

Abs.,

Bene-X disse...

Estranho no tenor nem se ter cogitado de Miguel Zenon, que ganhou uma bolsa de US 500,000.00, isto mesmo, meio milhão de dólares, segundo relata a JazzTimes (ou a Dowbeat, não me lembro), para um período de 4 anos em que pode fazer o que quiser com o $$$$. Mas fazer o que quiser, lá, com uma bolsa, quer dizer, fazer pela cultura, a saber: ficar com algum, claro (e um bom "algum") mas usar boa parte em em composições para as mais diversas formações, promover masterclasses, e workshops, visitar universidades e escolas de música, pinçar ajudar novos talentos e por aí vai.

Zenón, que, junto a Lovano, forma a dupla de tenores e sopranos do estelar time do San Francisco Jazz Collective, é o nome mais comentado da atualidade no sax tenor, já como uma realidade, e não mais como rising star.

A boa notícia é que o fato de o prêmio ter sido a ele conferido, implica uma importante guinada dos produtores e críticos no sentido da valorização, cada vez maior, no latin jazz, berço do músico.

Abs.,