Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

30 abril 2009

MUSEU DE CERA # 56 – CANTORAS DE BLUES 4 - MA RAINEY

Gertrude Malissa Nix Pridgett nasceu a 26/abril/1866 na Georgia em uma família ligada ao "showbiz" se apresentando em minstrels shows. Sua primeira atuação em um palco foi aos 12 anos cantando e dançando em uma revista do teatro vaudeville intitulada - A Bunch of Blackberries.
Em 1902 casou-se com o cantor e dançarino William "Pa" Rainey e a partir daí passou a ser conhecida como a "Ma" Rainey. Atuaram juntos em canções populares e nos Blues excursionando pelos EUA, primeiramente pelo sul como uma popular atração do Tolliver's Circus. A partir de 1915 participa de várias excursões pelo circuito T.O.B.A.
Em 1923 grava seus primeiros discos em Chicago para a Paramount Records acompanhada da pianista Lovie Austin e do trompetista Tommy Ladnier, e conseguiu registrar mais de 100 canções entre 1923 e 28 nas quais foi acompanhada por muitos notórios músicos de Jazz como: Louis Armstrong, Joe Smith, Fletcher Henderson e Coleman Hawkins.
No início dos anos 20 encontra-se com a excepcional Bessie Smith em espetáculos do T.O.B.A. debutando no grupo Florida Cotton Blossoms na peça musical Extravaganza tornando-se amigas. Bessie de certa forma foi uma protegida de Ma Rainey durante um tempo. Ma Rainey foi cognominada como ― Mother of the Blues.
Continuou trabalhando até 1935 quando se aposenta e fixa residência em Rome, Georgia. Trabalhou na gerência de 2 teatros. Faleceu em 1939. Considerada como a melhor cantora de Blues após Bessie Smith possuíndo uma bela voz de contralto, cheia, com um majestoso acento muito próprio para o sentimento dos Blues. Dentre seus inúmeros sucessos se destacam:

See See Rider Blues (Ma Rainey / Lena Arant) – Louis Armstrong (cornet), Buster Bailey (cl), Charlie Green (tb), Fletcher Henderson (pi), Charliem Dixon (banjo), Kaiser Marshal (bat).
Gravação original: 16/out/1924 - New York, selo Paramount 12252 (mx 1925-1)

Oh Papa Blues (Herbert / Russell) - Ma Rainey and Her Georgia Band - Shirley Clay (tp), Kid Ory (tb), Claude Hopson (pi), banjo e tuba desconhecidos.
Gravação original: 27/ago/1927 - Chicago, selo Paramount 12566 (mx 4692-1)

Fonte: CD – Madam Gertrude “Ma” Rainey -1923 -1928 - Giants Of The Jazz Collection –junho/ 2006 – Brasil.



Subscribe Free
Add to my Page

2 comentários:

APÓSTOLO disse...

Grande MÁRIO:
O máximo de informação no mínimo de espaço.
As 02 gravações são clássicos, com excelente conservação.
Parabéns ! ! !

Roberto disse...

Ma Rainey foi uma mulher corajosa, com atitudes fora dos padrões de sua época. Homosexual,deixou isso claro na letra de PROVE IT ON ME:

"It's true I wear a collar and a tie
(...)
Say I do it, ain't nobody caught me,
Sure got to prove it on me;
I went out last night with a crowd of my friends,
They must've been women, 'cause I don't like no men.
Wear my clothes just like a fan,
Talk to the gals just like any old man".