Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

31 outubro 2007

ELDAR DJANGIROV

Para quem não viu Eldar no palco Tim, eis aí o dedo mais rápido do teclado. Eldar é um tiro certeiro. Confiram neste video feito pela TV holandesa, acompanhado do brilhante Marco Panascia no contrabaixo e Todd Straight na bateria.

RETRATOS
06. LEE MORGAN (D)
Mini-Discografia - Continuação

NO BIRDLAND E “ABJM”

MONDAY NIGHT AT BIRDLAND
Lee Morgan (trumpete), Hank Mobley (sax.tenor), Billy Root (saxes.tenor e barítono), Curtis Fuller (trombone exceto na faixa 5), Ray Bryant (piano), Tommy Bryant (baixo), Specs Wright (bateria)
Birdland, New York, 21/04/1958
1. Walkin'
2. All The Things You Are
3. Bag's Groove
4. There Will Never Be Another You
5. It's You Or No One
6. Jamph
7. Nutville
8. Wee
Albuns da Roulette: Monday Night At Birdland, Another Monday Night At Birdland

ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS
Lee Morgan (trumpete), Benny Golson (sax.tenor), Bobby Timmons (piano), Jymie Merritt (baixo), Art Blakey (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 30/10/1958
1. Are You Real
2. Moanin'
3. Moanin' (alternate take)
4. The Drum Thunder (Miniature) Suite
5. Along Came Betty
6. Blues March
7. Come Rain Or Come Shine
Album da Blue Note: Moanin' / Art Blakey And The Jazz Messengers
Na série “Clássicos do Jazz” da Folha de São Paulo (outubro/2007) o tema “Blues March” teria sido gravado em 01/01/1958, o que é incorreto. Tanto esse tema quando as 02 versões do tema “Moanin’” de Bobby Timons foram gravados em 30/10/1958; até esta data que marca o início da continuidade das gravações com os “ABJM”, Lee Morgan somente havia gravado em uma única ocasião com Art Blakey (02/abril/1957); tampouco Lee Morgan gravou uma única faixa em janeiro/1958, já que neste ano sua primeira gravação data de 02/02/1958 (exatamente no dia em que minha irmã Lina Cardoso Nunes completou 25 anos).

ART BLAKEY SEPTET
Lee Morgan (trumpete), Bobby Timmons (piano), Jymie Merritt (baixo), Art Blakey, Philly Joe Jones e Roy Haynes (bateria), Ray Barreto (congas)
New York, 02/11/1958
1. Let's Take 16 Bars
2. Moose The Mooche
3. Drums In The Rain
4. Lee's Tune
5. Blakey's Blues
6. Lover
Album da Blue Note: Drums Around The Corner / Art Blakey

ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS
Lee Morgan (trumpete), Benny Golson (sax.tenor), Bobby Timmons (piano), Jymie Merritt (baixo), Art Blakey (bateria)
Holanda, 19/11/1958
1. Moanin'
2. Along Came Betty
3. I Remember Clifford
4. Whisper Not
5. A Night In Tunisia
Album da Jazz Band: Live In The '50s / Art Blakey And The Jazz Messengers Album da Bandstand: Live In Holland 1958 / Art Blakey And The Jazz Messengers
Magníficos solos de Lee, Golson e Timmons na versão do “carro-chefe” deste, “Moanin’”. Lee presta digna homenagem musical a Clifford Brown com o tema de Benny Golson “I Remember Clifford”.

COM TOMMY FLANAGAN

CURTIS FULLER SEXTET
Lee Morgan (trumpete), Curtis Fuller (trombone), Hank Mobley (sax.tenor), Tommy Flanagan (piano), Paul Chambers (baixo), Elvin Jones (bateria)
New York, 09/03/1959
1. Down Home
2. Down Home (alternate take)
3. C.T.A.
4. When Lights Are Low
5. Wonder Where Our Love Has Gone
6. Bongo Bop
7. Bit Of Heaven
Album da Mosaic: The Complete Blue Note UA Curtis Fuller Sessions Album da United Artist: Sliding Easy / Curtis Fuller
Lee Morgan em magnífico solo no tema de “mestre” Benny Carter “When Lights Are Low” (tema muito e sempre bem executado pelo patrono do CJUB, Dick Farney)

ART FARMER TENTET
Lee Morgan, Art Farmer e Ernie Royal (trumpetes), Jimmy Cleveland, Curtis Fuller e Wayne Andre (trombones), Julius Watkins (french horn), Don Butterfield (tuba), Percy Heath (baixo), Philly Joe Jones (bateria em 1, 2 e 4), Elvin Jones (bateria em 3 e 5)
New York, 14/05/1959
1. Minor Vamp
2. Five Spot After Dark
3. Nica's Dream
4. Autumn Leaves
5. Stella By Starlight
Álbum da United Artist: Brass Shout / Art Farmer Tentet
Atenção para o arranjo e o desenvolvimento dos solos em “Nica’s Dream”. Repertório de clássicos gravado com classe.

WYNTON KELLY - CURTIS FULLER

WYNTON KELLY QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Wayne Shorter (sax.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Philly Joe Jones (bateria)
New York, 12/08/1959
1. Wrinkles
2. June Night
3. Mama "G"
4. What Know
5. Sydney
Album da Vee-Jay: Kelly Great ! / Wynton Kelly

CURTIS FULLER JAZZTET
Lee Morgan (trumpete), Curtis Fuller (trombone), Benny Golson (sax.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Charlie Persip (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 25/08/1959
1. Wheatleigh Hall
2. It's Alright With Me
3. I'll Walk Alone
4. Arabia
5. Judy's Dilemma
Album da Savoy: The Curtis Fuller Jazztet With Benny Golson

WAYNE SHORTER QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Wayne Shorter (sax.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Jimmy Cobb (bateria)
New York, 09/11/1959
1. Blues A La Carte
2. Blues A La Carte (alternate take)
3. Harry's Last Stand
4. Harry's Last Stand (alternate take)
Albuns da Vee-Jay: Introducing Wayne Shorter - Alternate Sessions At Early 60's - Alternative Takes Of Introducing Wayne Shorter And Go. Album da Mosaic: The Complete Vee Jay Lee Morgan - Wayne Shorter Sessions
Todos os temas da autoria de Wayne Shorter, que ao lado de Lee Morgan domina as cenas de solos

ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS
Lee Morgan (trumpete), Wayne Shorter (sax.tenor), Walter Davis Jr. (piano), Jymie Merritt (baixo), Art Blakey (bateria)
Theatre Des Champs-Elysees, Paris, França, 15/11/1959
1. Close Your Eyes
2. Goldie
3. Ray's Idea
4. Lester Left Down (Shorter) (1)
5. Blues March
6. Are You Real
7. Night In Tunisia
8. Along Came Betty
9. No Problem
Album da Jazz Band: Live In The '50s / Art Blakey And The Jazz Messengers. Album da RCA: Au Theatre Des Champes-Elysees / Art Blakey And The Jazz Messengers. Album da Moon: Are You Real / Art Blakey And The Jazz Messengers. Album da EMI: Art Blakey And The Jazz Messengers
Solo de Lee Morgan no tema de sua autoria “Goldie” desenvolvido dentro de perfeita lógica de improvisação, assim como na leitura dos clássicos “Ray’s Idea” (Ray Brown e Gillespie) e “No Problem” (Duke Jordan)

QUINCY JONES - BUDDY RICH

QUINCY JONES ORCHESTRA
Lee Morgan, Ernie Royal, Lennie Johnson, Jimmy Maxwell, Nick Travis e Art Farmer (trumpetes), Urbie Green, Frank Rehak, Billy Byers e Jimmy Cleveland (trombones), Julius Watkins (French Horn), Phil Woods e Porter Kilbert (saxes.alto), Jerome Richardson e Budd Johnson (saxes.tenor) e Sahib Shihab (sax.barítono), Patti Bown (piano), Les Spann (guitarra), Buddie Jone (baixo), Don Lamond (bateria)
New York, de 04 a 09/12/1959
1. Lester Leaps In
2. Gahna
3. Caravan
4. Everybody's Blues
5. Cherokee
6. Air Mail Special
7. They Say It's Wonderful
8. Chant Of The Weed
9. I Never Has Been Show
10. Eesom
Album da Mercury: The Great Wide World Of Quincy Jones
Os solos de maior destaque ficam a cargo de Phil Woods, mas são bem encaixados os de Lee Morgan e de Budd Johnson. Em maio do ano seguinte a banda de Quincy Jones foi à Europa (Bélgica e Suissa), mas com formação modificada e sem a participação de Lee Morgan, à época excursionando também na Europa com os “Jazz Messengers” de Art Blakey

LEE MORGAN QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Clifford Jordan (sax.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Art Blakey (bateria)
New York, 08/02/1960
1. Mogie
2. Mogie (alternate take)
3. Mogie (alternate take)
4. Off Spring
5. Off Spring (alternate take)
6. Bess
7. Bess (alternate take)
8. Running Brook
9. Running Brook (alternate take)
10. Terrible "T"
11. Terrible "T" (alternate take)
12. I'm A Fool To Want You
13. I'm A Fool To Want You (alternate take)
14. I'm A Fool To Want You (alternate take)
Album da Mosaic: The Complete Vee Jay Lee Morgan - Wayne Shorter Sessions. Albuns da Vee-Jay: Here's Lee Morgan - Alternate Sessions At Early 60's - Alternative Takes Of Here's Lee Morgan

ART BLAKEY - BUDDY RICH
Lee Morgan (trumpete), Wayne Shorter (sax.tenor), Bobby Timmons (piano), Jymie Merritt (baixo), Buddy Rich (bateria na faixa 1, “Justice”), Art Blakey (bateria nas demais faixas)
Birdland, New York, 06/04/1960
1. Justice
2. This Here
3. Dat Dere
Albuns da Alto: Electric Sticks / Art Blakey-Buddy Rich - Drums Ablaze / Art Blakey And The Jazz Messengers. Album da Fresh Sound: Unforgettable Lee! / Lee Morgan

ART BLAKEY - BUDDY RICH
Mesma formação anterior, com Buddy Rich em “A Night In Tunisia” e Art Blakey nas outras 02 faixas. Apresentação também no “Birdland” e transmitida via rádio.
New York, 23/04/1960
1. A Night In Tunisia
2. Nelly Bly
3. Along Came Betty
Mesmos albuns anteriores

THE YOUNG LIONS
Lee Morgan (trumpete), Frank Strozier (sax.alto), Wayne Shorter (sax.tenor), Bobby Timmons (piano), Bob Cranshaw (baixo), Louis Hayes (bateria nas 04 primeiras faixas) e Al Heath (bateria nas 04 últimas faixas)
New York, 25/04/1960
1. Seeds Of Sin
2. Seeds Of Sin (alternate take)
3. Scourn
4. Scourn (alternate take)
5. Fat Lady
6. Fat Lady (alternate take)
7. Peaches And Cream
8. That's Right
Album da Mosaic: The Complete Vee Jay Lee Morgan - Wayne Shorter Sessions. Album da Vee-Jay: The Young Lions

QUINTETOS - ABJM

LEE MORGAN QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Jackie McLean (sax.alto), Bobby Timmons (piano), Paul Chambers (baixo), Art Blakey (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 28/04/1960
1. These Are Soulful Days
2. The Lion And The Wolff
3. Midtown Blues
4. Nakatini Suite
Album da Blue Note: Lee Way / Lee Morgan
Num período fertil de boas gravações, este album é um destaque pela formação em grande forma e pelas faixas 2 e 3 da autoria, respectivamente, de lee Morgan e Jackie McLean (as outras 02 faixas são da autoria de Calvin Massey, colaborador de Coltrane, Max Roach, Zoot Sims, Herbie Mann e outros). Todas as faixas com longa duração, 08 a 12 minutos. No encarte do Cd notas de Nat Hentoff e fotos, como habitual dos albuns da Blue Note, de Francis Wolff o sócio de Alfred Lyon.

ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS
Lee Morgan (trumpete), Wayne Shorter (sax.tenor), Walter Davis (piano), Jymie Merritt (baixo), Art Blakey (bateria)
Birdland, New York, 28/10/1960
1. Noise In The Attic
2. So Tired
Album da Fresh Sound: More Birdland Sessions / Lee Morgan Featuring With Art Blakey And The Jazz Messengers

ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS
Mesma formação anterior
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 12/02/1961
1. Look At The Bridie
2. United
3. Ping Pong
4. Mastermind
5. Pretty Larceny
6. Blue Ching
7. Pisces
Album da Mosaic: The Complete Blue Note Recordings Of Art Blakey's 1960 Jazz Messengers. Albuns da Blue Note: Pisces / Art Blakey And The Jazz Messengers e Roots And Herbs / Art Blakey And The Jazz Messengers

ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS
Mesma formação anterior, mas com Bobby Timons nas faixas de 1 até 5.
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 18/02/1961
1. Look At The Birdie
2. Master Mind
3. Ping Pong
4. Pretty Larceny
5. Roots And Herbs
6. United
Albuns da Blue Note: Roots And Herbs / Art Blakey And The Jazz Messengers e The Freedom Rider / Art Blakey And The Jazz Messengers. Album da Mosaic: The Complete Blue Note Recordings Of Art Blakey's 1960 Jazz Messengers

LEE MORGAN QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Clifford Jordan (sax.tenor), Barry Harris (piano), Bob Cranshaw (baixo), Louis Hayes (bateria)
New York, 24/01/1962
1. Raggedy Ann
2. A Waltz For Fran
3. Lee-Sure Time
4. Little Spain
5. Take Twelve
6. Second's Best
Album da Jazzland: Take Twelve / Lee Morgan

LEE MORGAN QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Jimmy Heath (sax.tenor), Barry Harris (piano), Spansky DeBrest (baixo), Al Heath (bateria)
New York, 17/11/1962
1. Bruh Slim
2. Bluesville
3. All Members
Album da Fresh Sound: We Remember You/Lee Morgan

HANK MOBLEY - GRACHAN MONCUR III

HANK MOBLEY QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Hank Mobley (sax.tenor), Andrew Hill (piano), John Ore (baixo), Philly Joe Jones (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, NJ, 02/10/1963
1. No Room For Squares
2. Three Way Split
3. Comin' Back
4. Carolyn
5. Me 'N You
6. Syrup And Biscuits
Album da Blue Note: No Room For Squares / Hank Mobley

GRACHAN MONCUR III SEXTET
Lee Morgan (trumpete), Grachan Moncur III (trombone), Jackie McLean (sax.alto), Bobby Hutcherson (vibrafone), Bob Cranshaw (baixo), Tony Williams (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 21/11/1963
1. Monk In Wonderland
2. The Coaster
3. Evolution
4. Air Raid
Album da Blue Note: Evolution / Grachan Moncur III

A Mini-biografia de LEE MORGAN encerra-se na seqüência (E)

30 outubro 2007

MUSEU DE CERA # 31 – ORIGINAL TUXEDO JAZZ ORCHESTRA

Uma famosa casa de danças em New Orleans chamada Tuxedo Dance Hall abrigou uma banda liderada por um dos mais populares cornetistas de New Orleans — Oscar “Papa” Celestin a qual passou a ser conhecida como a ORIGINAL TUXEDO JAZZ ORCHESTRA. Ali atuou de 1910 a 1913 quando o ballroom foi fechado após intensa confusão inclusive com tiroteio. Celestin nasceu em Napoleonville, Louisiana, em 1884. Ainda criança decide ser músico e inicialmente estuda guitarra e depois trombone e mais tarde o cornetim seu instrumento de carreira. Tocou em várias pequenas bandas até se mudar para New Orleans em 1906 e ingressar na Henry Allen Sr.’s Excelsior Band em 1908.
Após o fechamento do Tuxedo Dance Hall Celestin continuou com a banda na cidade sob o título de Tuxedo Brass Band. Com o sucesso dos registros fonográficos liderados pela ODJB em 1917 Celestin junto com o trombonista William “Baba” Ridgley, monta uma banda voltada para realizar gravações e assim continua atuando em vários estados: Texas, Louisiana, Mississippi, Alabama e Florida conhecidos como Gulf Coast States.
Em 1925 houve um desentendimento com Ridgley que divide o grupo e Celestin cria uma nova Tuxedo Jazz Orchestra, porém no início dos anos 1930 a Depressão econômica o obriga a abandonar o negócio de música até o final da 2ª Grande Guerra.
Durante o período chamado de Dixieland Revival ao final dos anos 40 sua banda foi revitalizada e continuou a tocar até sua morte em 1954 aos 70 anos. O veterano cornetista teve a oportunidade de tocar na Casa Branca no governo Eisenhower quase no fim da vida e sua última gravação foi Marie LaVeau, considerada um clássico voodoo.
A Tuxedo foi um importante veículo de treinamento na formação de vários músicos que ali atuaram como Louis Armstrong (ct), Peter Bocage (ct), Mutt Carey (tp), Johnny St. Cyr (bj), Louis Keppard (gt), Alphonse Picou (cl), Isidore Barbarin (bat) e outros..
Entre 1926 e 27 foram os anos de suas maiores atuações em gravações dentre as quais selecionamos um original de Marrero em delicioso arranjo típico de New Orleans com destaque para o clarinete e sax-alto de Barnes e o excelente cornetim de Papa Celestin.


CELESTIN'S ORIGINAL TUXEDO JAZZ ORCHESTRA - Oscar “Papa” Celestin (cornet e líder), August Rousseau (tb), Paul Barnes (cl, as), Earl Pierson (st), Abby “Chinee” Foster (bat), Jeanette Salvant Kimball (pi), John Marrero (bj).
Gravação original: I’M SATISFIED YOU LOVE ME (Simon Marrero) de 13/04/1926 - selo Columbia 14200 D (mx 142014-2) - New Orleans
Fonte: CD – Celestin's Original Tuxedo Jazz Orch / Sam Morgan's Jazz Band – selo Jazz Oracle BDW 8002 – 2000 – USA



||

O ANIVERSÁRIO DO MESTRE LOC É HOJE


E é motivo especial de júbilo para todos os que com sua pessoa calma e serena tem o privilégio de interagir. Não vou ficar aqui falando das suas demais qualidades pois seria apenas um dilúvio no mar. Queria apenas expressar, em nome do time cjubianístico, que é um grande privilégio o termos como amigo, parceiro de audições e sobretudo MESTRE, a quem podemos recorrer - assim como a todos os demais, é certo -para obter uma visão ecumênica da música de qualidade, seja o jazz, no qual excede, ou na música clássica, da qual é igualmente fervoroso amante.

Mestre, que possamos abrir o jornal a cada semana e recolher suas opiniões e ensinamentos, vazados com aquela peculiar elegância, por muitos e muitos anos, amém, e que todos esses possam ser desfrutados pelo amigo com saúde perfeita e uma infinidade de notas idem.

Parabéns!!! E nosso grande abraço pela data.

29 outubro 2007

COMENTÁRIOS FORA DE COMBATE, ESTAMOS TRABALHANDO

Ainda encontramos problemas para recuperar a função dos comentários. Voltarão a funcionar logo que descubramos o motivo, que teima em se esconder, tal e qual a voz de Lisa Ekdahl no Tim Festival, que certamente só não expulsou mais gente da sala do que o pianista Cecil Taylor.

Desculpem os versados em free jazz (falo da forma, não do velho e bom festival) mas ainda estou para encontrar outro pianista mais tenebroso.

Adorei a resposta do Mestre LOC, quando perguntei-lhe se tinha ouvido todo o set da moça(?), pois vira sua cadeira vazia quando saía depois da segunda música na qual ela grasnou desafinadamente, acompanhada pela má banda: Quem?

Peço que anotem seus comentários preciosos para postarem-nos tão logo resolvamos este pequeno problema técnico. Afinal, acontece com os melhores blogs.

Abraços.

28 outubro 2007

E AGORA, O JAZZ ?!

JB, Caderno B, 28 de outubro de 2007.
Matéria de Carlos Braga e Luiz Orlando Carneiro.
[ clique para ampliar ]

26 outubro 2007

UM CLUBE DE JAZZ

Uma incrível associação de um tradicional restaurante em Itaipava com a música de Jazz. O NUCREPE é como o nome indica uma creperia-bar, muito simpática com um agradável espaço reservado para eventos bem aparelhado com modernos recursos de áudio e vídeo.
Um grupo de aficionados do Jazz se associaram ao NUCREPE para formar um CLUBE DE JAZZ, promovendo encontros informais onde serão apresentadas palestras, desenvolvidos debates, trocadas informações e curiosidades, ouvir música e assistir a vídeos, filmes, documentários e shows, tudo de primorosas coleções de seus colaboradores. Além de música ao vivo em jam-sessions.
Uma das atividades será a Noite do Ballroom procurando com o som das famosas big bands norte-americanas reviver os ambientes das décadas de 30 e 40, ou seja da glamorosa e dançante Era Swing,.
A música instrumental brasileira também fará parte já que sofre grande influência do Jazz.
A idéia é de reuniões a cada quinzena sempre às quartas-feiras às 20h.
A inauguração do Clube foi na quarta-feira última e contou com uma jam session de músicos locais com o grupo do José São Paulo e convidados, nada mais estimulante para uma noite de encontro com o Jazz.
Os organizadores são: Antônio Dutra (consultor financeiro), Brenno Bonvini (corretor de imóveis), Mario Jorge Jacques (engenheiro), José São Paulo (guitarrista) e Paolo Cirelli (empresário), todos felizardos moradores de Itaipava.
Alguns instantes da agradável noite.

COMEÇA O TIM FESTIVAL

TIM Festival começa hoje no RJ e estaremos lá !!

Joey de Francesco & Trio e o convidado da noite Bobby Hutcherson prometem !
Cecil Taylor vem, acredito, em apresentação solo e os metais de Joe Lovano Nonet e Conrad Herwig's Band fecham a noite.

Amanhã, sábado, tem mais -
O russinho Eldar vem comprovar que realmente é a revelação no piano - só espero que não traga eletrônica para o palco. Lisa Ekdahl gera expectativa, será que vai substituir a altura Miss Gambarini ?! Perda irreparável nesta edição.
Sylvain Luc vem de violão, esperamos jazz, apesar que suas apresentações com Birele Lagrene são contagiantes.
E a outra grande atração da noite - Stefano DiBatista, esse promete !



COLUNA DO LOC



JB, Caderno B, 26 de outubro de 2007

[ clique para ampliar ]

25 outubro 2007

28.10.2007 - 18 horas - FESTIVAL IN JAZZ - PARQUE DOS PATINS

No próximo domingo, às 18:00, os amantes da música instrumental tem um encontro marcado no Parque dos Patins na Lagoa, cujo nome é ESPAÇO VICTOR ASSIS BRASIL.

Aliás, é em homenagem ao grande músico, falecido em 1981, que ocorrerá a 3ª Edição do Festival, conhecido como FESTIVAL IN JAZZ.

Entre os grupos presentes, teremos o Quinteto IDRISS BOUDRIOUA, Quarteto Saxofonia, Quarteto NELSON FARIA, HAMLETO STAMATO TRIO e a Orquestra de Rua.

Em suma, será um final de tarde num padrão Jam Session...

Todos lá.

Beto Kessel

22 outubro 2007


RETRATOS
06. LEE MORGAN (C)
Início de Mini-Discografia
LEE MORGAN QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Clarence Sharpe (sax.alto), Horace Silver (piano), Wilbur Ware (baixo), Philly Joe Jones (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 04/11/1956
1. Gaza Strip
2. Reggie Of Chester
3. Little T
4. Stand By
5. Roccus
6. The Lady
Album da Blue Note: Lee Morgan Indeed !. Também editado pelo selo Mosaic com “alternate take” de “Little T”, tema de Donald Byrd

QUINTETO E SEXTETO DE HANK MOBLEY

HANK MOBLEY QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Hank Mobley (sax.tenor), Hank Jones (piano), Doug Watkins (baixo), Art Taylor (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 05/11/1956
1. Hank's Shout
2. Bet
3. Medley: Softly As In A Morning Sunrise, P.S. I Love You, Easy Living, That's All
4. A-1
Album da Savoy: Introducing Lee Morgan With Hank Mobley Quintet. Álbum pelo selo Vogue com as mesmas faixas e mais uma “alternate Take” com o tema de Hank Mobley “A-1”: Hank's Shout / Lee Morgan. Atenção para o “medley” com 04 clássicos, absolutamente lindo.

HANK MOBLEY SEXTET
Donald Byrd e Lee Morgan (trumpetes), Hank Mobley (sax.tenor), Horace Silver (piano), Paul Chambers (baixo), Charlie Persip (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 25/11/1956
1. Double Whammy
2. Barrel Of Funk
3. Barrel Of Funk = alternate take
4. Mobleymania
5. Touch And Go
Album da Mosaic: The Complete Hank Mobley Blue Note Fifties Sessions (com a “alternate take”). Album da Blue Note: Hank Mobley With Donald Byrd And Lee Morgan (exclusive a “alternate take”).

COM DIZZY GILLESPIE

DIZZY GILLESPIE ORCHESTRA
Dizzy Gillespie, Lee Morgan, Ermett Perry, Carl Warwick e Talib Daawud (trumpetes), Melba Liston, Al Grey e Rod Levitt (trombones), Jimmy Powell e Ernie Henry (saxes.alto), Billy Mitchell, Benny Golson e Ernie Wilkins (saxes.tenor), Billy Root (sax.barítono), Wynton Kelly (piano), Paul West (baixo), Charlie Persip (bateria)
CBS Broadcast, Birdland, New York, 04 ou 25/11 ou 02/12/1956
1. Introduction
2. Dizzy's Blues
3. A Night In Tunisia
4. Stella By Starlight
5. Doodlin'
Album da Fanfare: Live In Hi-Fi From Birdland / Dizzy Gillespie And His Orchestra

A CARREIRA SOLO EM MARCHA

LEE MORGAN SEXTET
Lee Morgan (trumpete), Kenny Rodgers (sax.alto), Hank Mobley (sax.tenor), Horace Silver (piano), Paul Chambers (baixo), Charlie Persip (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 02/12/1956
1. Latin Hangover
2. Whisper Not
3. His Sister
4. D's Funk
5. Slightly Hep
6. Where Am I ?
Album da Blue Note: Lee Morgan Sextet. Album da Mosaic: The Complete Blue Note Lee Morgan Fifties Sessions

NO TEMPLO DE HERMOSA BEACH

HOWARD RUMSEY'S LIGHTHOUSE ALL STARS AND CHARLIE PERSIP'S JAZZ STATESMEN
Lee Morgan (trumpete), Conte Candoli (trumpete na faixa 1), Frank Rosolino (trombone), Bob Cooper e Benny Golson (saxes.tenor na faixa 1), Dick Shreve (piano), Red Mitchell (baixo), Stan Levey (bateria)
Hollywood, Los Angeles, 14/02/1957
1. Moto
2. Stablemates
Álbum da Liverty: Double Or Nothin'/Howard Rumsey's Lighthouse All Stars

DIZZY ATMOSPHERE
Lee Morgan (trumpete), Al Grey (trombone), Billy Mitchell (sax.tenor), Billy Root (sax.barítono), Wynton Kelly (piano), Paul West (baixo), Charlie Persip (bateria)
Hollywood, Los Angeles, 18/02/1957
1. Dishwater
2. Someone I Know
3. Someone I Know = alternate take (saiu sómente em CD)
4. D.D.T.
5. Whisper Not
6. Whisper Not = alternate take (saiu sómente em CD)
7. About Time
8. Day By Day
9. Rite Of Swing
10. Over The Rainbow
11. Over The Rainbow = alternate take (saiu sómente em CD)
Album da Specialty: Dizzy Atmosphere

HOWARD RUMSEY'S LIGHTHOUSE ALL STARS AND CHARLIE PERSIP'S JAZZ STATESMEN
Lee Morgan (trumpete), Conte Candoli (trumpete na faixa 3), Frank Rosolino (trombone na faixa 3),Bob Cooper (sax.tenor na faixa 3), Benny Golson (sax.tenor), Wynton Kelly (piano), Wilfred Middlebrooks (baixo, mas na faixa 2 o baixo é por Red Mitchell), Charlie Persip (bateria)
Hollywood, Los Angeles, 17/02/1957
1. Reggie Of Chester
2. Blues After Dark
3. Wildwood
Álbum da Liverty: Double Or Nothin'/Howard Rumsey's Lighthouse All Stars

LEE MORGAN SEXTET
Lee Morgan (trumpete), Gigi Gryce (sax.alto e flauta na faixa 1), Benny Golson (tsax.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Charlie Persip (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 24/03/1957
1. Hassaan's Dream
2. I Remember Clifford
3. Mesabi Chant
4. Tip-Toeing
5. Tip-Toeing = alternate take sómente no album da Mosaic
6. Domingo
Álbum da Blue Note: Lee Morgan Volume 3. Album da Mosaic: The Complete Blue Note Lee Morgan Fifties Sessions
Lee Morgan repetiu a gravação e a apresentação ao vivo do tema de Benny Golson “I Remember Clifford”, mas aqui temos o marco inicial, com incrível beleza.

A PRIMEIRA COM OS “ABJM”
COM “LITTLE GIANT” NUMA FORMAÇÃO ESPETACULAR


ART BLAKEY AND THE JAZZ MESSENGERS PLUS FOUR
Lee Morgan e Bill Hardman (trumpetes), Melba Liston (trombone), Sahib Shihab (sax.alto), Johnny Griffin (sax.tenor), Cecil Payne (sax.barítono), Wynton Kelly (piano), Jimmy DeBrest (baixo), Art Blakey (bateria)
Estúdio 3 da RCA, New York, 02/04/1957
1. A Night At Tony's
2. Social Call
Albuns da Bluebird: Theory Of Art/Art Blakey And The Jazz Messengers - Art Blakey And The Jazz Messengers 1957 Second Edition

JOHNNY GRIFFIN SEPTET
Lee Morgan (trumpete), Johnny Griffin, Hank Mobley e John Coltrane (saxes.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Art Blakey (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 06/04/1957
1. Smoke Stack
2. The Way You Look Tonight
3. Ball Bearing
4. All The Things You Are
Album da Blue Note: A Blowing Session / Johnny Griffin
Como já indicado na “Biografia” de Lee Morgan, destaque para 02 faixas exuberantes, ambas clássicos de Jerome Kern: “The Way You Look Tonight” (mais Dorothy Fields) e “All The Things You Are” (mais Oscar Hammerstein II). Uma formação 05 estrelas e um marco para a sonoridade “selvagem” de Lee Morgan. Notas de Ira Gitler destacando “.... Lee Morgan, the extremely youthful trumpeter from the Dizzy Gillespie band.

CLIFFORD JORDAN ALL STARS
Lee Morgan (trumpete), Curtis Fuller (trombone exceto na faixa “Ju-Ba”), John Jenkins (sax.alto), Clifford Jordan (sax.tenor), Ray Bryant (piano), Paul Chambers (baixo), Art Taylor (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 02/06/1957
1. St. John
2. Not Guilty
3. Blue Shoes
4. Beyond The Blue Horizon
5. Ju-Ba
Album da Blue Note: Cliff Jordan
Sob a tutela de Clifford Jordan destaque para o tema de Lee Morgan “Ju-Ba”.

DIZZY GILLESPIE AND HIS ORCHESTRA
Lee Morgan, Dizzy Gillespie, Ermett Perry, Carl Warwick e Talib Daawud (trumpetes), Melba Liston, Al Grey e Ray Connor (trombones), Jimmy Powell e Ernie Henry (saxes.alto), Benny Golson e Billy Mitchell (saxes.tenor), Pee Wee Moore (sax.barítono), Wynton Kelly (piano), Paul West (baixo), Charlie Persip (bateria) e Austin Cromer (vocal),
New York, 08/07/1957
1. Joogie Boogie
2. I Remember Clifford
3. You'll Be Sorry
4. Wonder Why
Album da Playboy: The Playboy Allstars Vol. 1. Album da Verve (inglesa): The Big Band Sound Of Dizzy Gillespie

COM JIMMY SMITH, ERNIE HENRY

JIMMY SMITH ALL STARS
Lee Morgan (trumpete), Curtis Fuller (trombone exceto nas faixas 2 e 6), George Coleman (sax.alto exceto na faixa 6), Jimmy Smith (órgão), Kenny Burrell faixas 3, 4 e 5) e Eddie McFadden (faixas 1, 2 e 6) (guitarras), Donald Bailey (faixas 1, 2, 3 e 6) e Art Blakey (faixas 4 e 5) (baterias)
New York, 25/08/1957
1. J.O.S.
2. What Is This Things Called Love
3. Just Friends
4. Cherokee
5. Little Girl Blue
6. S'wonderful
7. Blue Room
8. Blues After All
Albuns da Blue Note: House Party / Jimmy Smith - The Sermon / Jimmy Smith - Confirmation / Jimmy Smith

ERNIE HENRY ALL STARS
Lee Morgan (trumpete), Melba Liston (trombone exceto na faixa 3), Ernie Henry (sax.alto), Benny Golson (sax.tenor), Cecil Paine (sax.barítono exceto na fiaxa 3), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo), Philly Joe Jones (bateria)
New York, 15/09/1957
1. Autumn Leaves
2. Beauty And The Blues
3. All The Things You Are
4. Melba's Tune
Álbum da Riverside: Last Chorus/Ernie Henry

COM COLTRANE UM CLÁSSICO ETERNO

JOHN COLTRANE SEXTET
Lee Morgan (trumpete), John Coltrane (sax.tenor), Curtis Fuller (trombone), Kenny Drew (piano), Paul Chambers (baixo), Philly Joe Jones (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 15/09/1957
1. Blue Train
2. Moments Notice
3. Locomotion
4. I'm Old Fashioned
5. Lazy Bird
6. Blue Train (alternate take)
7. Lazy Bird (alternate take)
Álbum da Blue Note: Blue Train / John Coltrane
A partir de 1997 editado em CD com notas do encarte de Michael Cuscuna; no CD imagens de Coltrane para Windows e Macintosh. Afora o clássico “I’m Old Fashioned” de Jerome Kern, todas as demais faixas são da autoria de Coltrane.

LEE MORGAN QUINTET
Lee Morgan (trumpete), Pepper Adams (sax.barítono), Bobby Timmons (pioano), Paul Chambers (baixo), Philly Joe Jones (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 29/09/1957
1. Just One Of Those Things
2. Just One Of Those Things (alternate take)
3. Heavy Dipper
4. A Night In Tunisia
5. Lover Man
6. New-Ma
Albuns da Blue Note: The Cooker / Lee Morgan - Lee Morgan Memorial Album. Album da Mosaic: The Complete Blue Note Lee Morgan Fifties Sessions

LEE MORGAN QUARTET
Lee Morgan (trumpete), Sonny Clark (piano), Doug Watkins (baixo), Art Taylor (bateria)
Estúdio de Rudy Van Gelder, Hackensack, New Jersey, 18/11/1957
1. Since I Fell For You
2. Personality
3. All At Once, You Love Her
4. Who Do You Love, I Hope
Álbum da Blue Note: Candy / Lee Morgan
Espetacular solo de Lee Morgan no clássico de Buddy Johnson “Since I Fell For You”.

A Mini-discografia de LEE MORGAN segue em (D)

21 outubro 2007

GAMBARINI - CONSOLAÇÃO

Não vou devolver meu ingresso para o Tim, vou torcer pela Lisa Ekdahl, mas depois de assitir na TV ontem -- acreditem -- a Laura Fygi no North Sea Jazz Festival, com pena dela não ter sido a convidada, entre muitas outras cantoras de peso, resolvi fazer um upload de uma entrevista com uma apresentação da Roberta Gambarini, para deleite de seus fãs. Alguns devolveram os ingressos, eu os vi fazendo isso no balcão do Ticketronics da Modern Sound.
Roberta Gambarini toca com seu trio composto de: Eric Gunnison, piano - Jimmy Woods, Baixo - Willie Jones, bateria.
O vídeo está em arquivo ZIP, dividido em 4 partes com 46.881KB.
Subi para o Yousendit, clique em: http://download.yousendit.com/F774259C562FDC4F para fazer o download, que ficará durante 7 dias no ar.

Tim, tim!

19 outubro 2007

COLUNA DO LOC


Caderno B, JB, 19 de outubro de 2007.
[ clique para ampliar ]

18 outubro 2007

GAMBARINI CANCELA SHOWS NO TIM FESTIVAL

Fonte : O Globo

A cantora sueca Lisa Ekdahl substituirá a italiana Roberta Gambarini no TIM Festival 2007. Escalada como uma das atrações da noite Eurojazz dedicada ao jazz europeu, Gambarini, por ordem médica, desmarcou toda a sua agenda por tempo indeterminado. Além das apresentações no Brasil, ela cancelou também shows nos Estados Unidos e Rússia por problemas nas cordas vocais.

Quem comprou ingressos para o show de Gambarini e desejar ser reembolsado deve se dirigir ao posto de venda onde os adquiriu. Quem fez a compra pela internet, deve entrar no site da Ticketmaster e solicitar o reembolso. O prazo máximo para ressarcimento é o dia 25 de outubro.

Nascida em 29 de julho de 1971, Lisa Ekdahl é uma das artistas suecas mais bem sucedidas – e prolíficas – de sua geração. Com 10 álbuns no currículo, a cantora e compositora, cuja carreira foi iniciada em 1994, com um álbum que levava o seu nome, faz uma bem dosada mistura de pop, folk e bossa nova. Conhecida pelo seu tom de voz aveludado, Lisa tem fãs tanto entre os apreciadores do jazz quanto no meio dos aficcionados por música pop. Conhecida e apreciada na Europa, Lisa vem pela primeira vez ao Brasil.

O seu mais recente disco, ''Pärlor av glas'' (''Pérolas de vidro'') foi lançado em janeiro na Escandinávia. É uma espécie de segundo capítulo do disco anterior, ''Olyckssyter'', lançado em 2004 com vendas superiores a 800 mil cópias. ''Pärlor av glas'' foi gravado no mesmo estúdio (PUK) e com o mesmo produtor (Lars Winnerbäck) do trabalho anterior. Dos 10 discos solo de Lisa, seis foram gravados em sueco e outros quatro em inglês.

Mais informações em http://www.lisaekdahl.com/

16 outubro 2007

AVE, MESTRE

Este espaço distingue-se de qualquer outro no Brasil por um exclusivo motivo: a reunião, em torno do assunto JAZZ (e Bossa, claro) do mais expressivo time de comentaristas profissionais, na ativa ou não, que se pôde arregimentar - outros, igualmente convidados a usar livremente este mural, não se decidiram até hoje em fazê-lo, principalmente em São Paulo - para falar o que desejam, quando bem entendem, sem nenhum tipo de cobrança ou recompensa que não seja a sua própria vontade em participar, democratizando seus vastos conhecimentos na matéria com todos os demais leitores.

Dentre esses grandes luminares que nos prestigiam, o decano fez aniversário ontem e como lhe é peculiar, sem nenhuma concessão a qualquer tipo de festa ou ôba-ôba, o que sua modéstia impede de forma definitiva. Deixamos passar em branco a data, para que hoje, já passada a efeméride por seu cimo emocional, pudéssemos prestar-lhe a devida homenagem.

Mestre Raf, pelo menos aqui estamos em festa animada, ao imaginário (e fabuloso) som de Powell, Parker e Navarro, rendendo-lhe a devida aclamação como mentor e orientador, farol de referência cujas informações precisas e profundas o fazem insubstituível como paradigma para este CJUB, desde que admitiu unir-se ao nosso grupo - esta pequena Armata Brancaleone - de entusiastas. Nós, que sempre o tivemos como fonte de referência por muitos e muitos anos através da imprensa, ficamos honrados quando passou a agraciar-nos com suas informações e comentários indisputáveis aqui mesmo neste blog. E continua sendo assim.

Receba, portanto, MESTRE RAFFAELLI, um carinhoso abraço dos componentes do CJUB, com o nosso desejo sincero de que possa continuar, saudável e firme por muitos e muitos anos, brindando-nos com suas presença e conhecimento. E tornando mais rica, a cada dia, a nossa percepção dessa arte que é a razão de sua própria e tão profícua vida, enquanto que é, para nós, apenas uma fonte de prazer.

Que viva o Jazz! E VIVAS AO MESTRE RAF!!!

15 outubro 2007

MUSEU DE CERA # 30 – ART TATUM

ARTHUR TATUM JR. nasceu em Toledo no Ohio a 13/out/1909 sendo portador de séria deficiência visual, cego de uma vista e com parcial visão na outra, recebeu ainda adolescente suas primeiras lições de piano na Toledo School of Music e aprendeu a ler partituras com fortes lentes e mais tarde no método Braille. Contudo sua maior escola foram as exaustivas audições dos rolos de pianola, dos discos e programas de rádio com o pianista Lee Sims, que afirmava ter sido sua primeira inspiração. Suas outras influências são os mestres James Price Johnson, Willie “ The Lion” Smith e sobretudo Fats Waller.
Ainda em Toledo em 1926 começou a tocar profissionalmente inclusive na radio local atuando de 1929 a 30. Em 1932 se mudou para New York como acompanhador da cantora Adelaide Hall. Em março de 33 fez suas primeiras gravações para Brunswick. Em 1934/35 tocou em Cleveland e em Chicago no período de 1935/36.
Sua reputação maior como pianista de Jazz ocorreu em 1937 se apresentando em vários clubes de NY e em rádio shows e ao final dos anos 30 e na década de 40 fixou-se entre NY e Los Angeles.
Tomando como base o Nat King Cole Trio formou o seu em 1943 com o baixista Slam Stewart e o guitarrista Tiny Grimes, este substituído em 1944 por Everett Barksdale.
Mantendo-se sempre em atividade Tatum era celebrizado pelos músicos mas esquecido nas populares pesquisas (polls) dos magazines especializados.
Em 1953 associou-se ao produtor Norman Granz quando fez inúmeros registros com magníficos músicos em pequenos conjuntos como de Benny Carter, Buddy De Franco, Roy Eldridge, Lionel Hampton, Ben Webster e outros.
Tatum transportou a arte da improvisação no piano para além do real através de sua extraordinária imaginação, técnica fabulosa com domínio completo do instrumento, clareza de toque, infalível senso rítmico e muito swing. A magia da técnica e inventividade de Tatum deixou certa vez Vladimir Horowitz um dos maiores pianistas clássicos com tal emoção que o cumprimentou com os olhos cheios de lágrimas.
Certa ocasião em 1938 Tatum entrou em um clube para ouvir Fats Waller que ali se apresentava e o mesmo ao entrar no palco comenta para o público: - "I just play the piano, but God is in the house tonight."
Alguns críticos o condenam de ser algo repetitivo em seus magníficos glissandos, questão de estilo, porém sempre partia da melodia e harmonia originais mantendo enorme capacidade de expandí-las e enriquecê-las. Mary Lou Williams afirmava que Tatum foi o primeiro a explorar harmonias que mais tarde seriam usadas pelos bebopers.
Deixou mais de 600 gravações e raramente takes alternativos, costumava chegar ao estúdio sentar ao piano e ír tocando sendo gravado sem repetições. Faleceu a 5/nov/1956
Podemos ouví-lo em duas interpretações soberbas: a estonteante Tiger Rag sua primeira gravação e a balada clássica Stormy Weather.
TIGER RAG (Nick La Roca) e STORMY WEATHER (Ted Koehler, Harold Arlen) – piano solo Art Tatum (tempo total 5:34min)
Gravações originais: Tiger Rag de 21/03/1933 - selo Brunswick 6543 (mx B13164A) e Stormy Weather de 29/11/1937 – selo Decca 1603 (mx 62823A) - New York
Fonte: CD – ART TATUM MASTERPIECES Vol. 16 – The Jazz Archives Masterpieces - EPM 158632 – 1996 - França

||

14 outubro 2007

RETRATOS
06. LEE MORGAN (B)
Filmografia e Bibliografia

FILMOGRAFIA
É bem reduzida a participação de Lee Morgan em filmes, documentários e outras tomadas ao vivo. Considerando que muitos e muitos momentos em áudio e vídeo de Lee Morgan foram conservados até seus últimos anos e ainda sem distribuição para o mercado, é de esperar-se que proximamente tenhamos “novidades”, principalmente pela Internet.

01. LES LIAISONS DANGEREUSES 1960
Longa metragem
França - 1959 - 106 minutos
Direção de Roger Vadim
Aqui temos o “Art Blakey Jazz Messengers” em um “night.club”: Lee Morgan, Barney Wilen, Bobby Timons e Duke Jordan (compositor dos temas “Valmontana”, “No Problem”, “Prelude In Blues” e “Miguel’s Party” para o“ABJM”), Jymmy Merritt, Art Blakey

02. DES FEMMES DISPARAISSENT
Longa metragem
França - 1959 - 83 minutos
Direção de Edourd Molinaro
Trilha sonora com o “Art Blakey Jazz Messsengers”: Lee Morgan, Benny Golson, Bobby Timons, Jimmy Merritt, Art Blakey

03. OS REIS DO TRUMPETE
Documentário da coleção “Naipes do Jazz”
U.S.A. - 1985 - 73 minutos
Direção de Burrill Crohn, apresentação de Wynton Marsalis
Trecho com 2’12” de Lee Morgan com Art Blakey
04. BLUE NOTE - A STORY OF MODERN JAZZ - PARTES I e II
Documentário
U.S.A. - 1997 - 117 minutos
Direção de Andreas Missler-Morell, produção de Julian Benedikt, apresentação de Ron Carter
Espetacular documentário sobre a história do selo “Blue Note (“The Finest In Jazz Since 1939”), desde seu início em 1939 por seu fundador Alfred Lion logo secundado pelo sócio Francis Wolf, com diversas cenas fotográficas de Lee Morgan, entre tantas e tantas dezenas de músicos de Jazz que desfilaram pelo selo e nele gravaram

BIBLIOGRAFIA
Aqui temos material mais extenso em quantidade de publicações, ainda que com textos e verbetes individualmente reduzidos, talvez pela curta biografia de Lee Morgan.

01. THE SOUND OF SURPRISE - 46 PIECES ON JAZZ
Whitney Balliet - Edição de 1959 para o “Jazz Book Club” - Inglaterra
Já nessa época Balliet destacava Lee Morgan como “a young trumpeter who showed more technique than imagination”, assim como destacava como momento memorável a participação do “jovem” Lee no solo de “Blues March”.
Como curiosidade lembramos que o “Jazz Book Club” londrino, iniciado em 1956 pelos editores Sidgwick & Jackson com a publicação de “Mister Jelly Roll” (Alan Lomax), teve como objetivo a publicação na Inglaterra de clássicos da literatura do Jazz, o que conseguiu até 1967, com 06 a 07 livros por ano e totalizando 66 livros. O livro de número 66 foi o clássico de W. T. Ed Kirkeby “Ain’t Misbehavin: The Story Of Fats Waller”. Foram publicados também 10 “extras”, entre os quais o precioso “Esquire’s World Of Jazz” (1962).

02. THE ENCYCLOPEDIA OF JAZZ
Leonard Feather - Edições original, dos anos 60, dos anos 70 e “Yearbooks” - U.S.A.
Todas com verbetes para Lee Morgan, desde suas primeiras notas revelando-o como músico ímpar.

03. GRAN ENCICLOPEDIA DEL JAZZ
Editora SARPE - 1ª Edição - 1980 - Espanha
Em seu 4º volume dedica verbete de fôlego para Lee Morgan.

04. ENCICLOPEDIA ILUSTRADA DEL JAZZ
Brian Case / Stan Britt - 1ª Edição - 1982 (edição espanhola) - Inglaterra
Bom e conciso verbete, com indicação de discografia de Lee Morgan: gravações com Coltrane, com os “ABJM” e como líder.

05. NIGHTS IN BIRDLAND - 1954 / 1960
Carole Reiff - 1ª Edição - 1985 - U.S.A.
Carole ajustou magnificamente sua Rolleyflex para captar Lee Morgan com Wayne Shorter ao fundo, sempre em P&B, em momento de apresentação no “Birdland”.

06. OBRAS-PRIMAS DO JAZZ
Luiz Orlando Carneiro - 1ª Edição - 1986 - Brasil
No capitulo dedicado a Art Blakey / Horace Silver, encontramos referência a Lee Morgan enquanto participante do “Art Blakey Jazz Messengers”.

07. THE PENGUIN ENCYCLOPEDIA OF POPULAR MUSIC
Donald Clarke - 1ª Edição - 1989 - Inglaterra
Donald Clarke cercou-se de mais 14 especialistas para editar esse alentado trabalho, que dedica verbete a Lee Morgan, bem preciso.

08. THE STORY OF JAZZ - BOP AND BEYOND
Frank Bergerot / Arnaud Merlim - 1ª Edição - 1991 - Inglaterra
Referências a Lee Morgan no capítulo dedicado ao “Art Blakey Jazz Messengers”.

09. OS GRANDES CRIADORES DO JAZZ
Gérald Arnaud / Jacques Chesnel - 1ª Edição - 1991 (edição portuguesa) - França
Verbete sobre Lee Morgan, enfatizando sua expressiva produção discográfica.

10. JAZZ - HISTORY, INSTRUMENTES, MUSICIANS, RECORDINGS
John Fordham (prefácio de Sonny Rollins) - 1ª Edição - 1993 - Inglaterra
Foco sobre Lee Morgan no capítulo dedicado aos anos 1950, mais destaque para o album “Sidewinder” entre os indicados como “Classic Recordings”.

11. LOS 100 MEJORES DISCOS DEL JAZZ
Jorge Garcia / Federico G. Herraiz / Federico Gonzales / Carlos Sampayo - 1ª Edição - 1993 - Espanha
Página dupla com os “Art Blakey Jazz Messengers” e destaque para Lee Morgan.

12. GUIA DO JAZZ
Sérgio Karam - 1ª Edição - 1993 - Brasil
Conciso verbete sobre Lee Morgan, com boas indicações discográficas

13. JAZZ - A PHOTOGRAPHIC DOCUMENTARY
Richard Williams - 1ª Edição em 1994 - U.S.A.
Página inteira com foto dedicada a Lee Morgan, mais resumo biográfico. Obra de vulto, de luxo e de fôlego pela totalidade de músicos focados.

14. DICCIONARIO DEL JAZZ
Philippe Carles / André Clergeat / Jean-Louis Comolli - 1ª Edição - 1995 (edição espanhola) - França
Talvez o mais preciso verbete sobre Lee Morgan de todas as obras indicadas, mesmo adstrito a curto espaço.

15. JAZZ - THE ROUGH RIDE
Ian Carr / Digby Fairweather / Brian Priestley - 1ª Edição - 1995 - Inglaterra
Ainda que obra dirigida à discografia, consegue “mini-biografar” Lee Morgan de forma bem precisa.

16. LA DISCOTECA IDEAL DEL JAZZ
Joan Riambau - 1ª Edição - 1995 - Espanha
Página inteira dedicada a Lee Morgan, com resumo biográfico e boas indicações discográficas.

17. ALL THAT JAZZ - THE ILLUSTRATED STORY OF JAZZ MUSIC
Ronald Atkins - 1ª Edição - 1996 - Inglaterra
Fotografia de Lee Morgan e verbete biográfico no capítulo “A-Z Jazz Players”

18. A CENTURY OF JAZZ - A HUNDRED YEARS OF THE GREATEST MUSIC EVER MADE
Roy Carr - 1ª Edição em 1997 - Inglaterra
Capítulo dedicado aos anos 1955/1960, com foto e referências a Lee Morgan. Obra das mais importantes sobre o Jazz, enquanto material fotográfico e painel de um século da “Arte popular Maior”.

19. OS GRANDES DO JAZZ
Ediciones del Prado - 1ª Edição - 1997 (edição nacional) - Espanha
Dedica um dos fascículos a Lee Morgan, com 14 páginas. Pena que gaste 02 páginas para casos folclóricos com músicos de Jazz, que poderiam ser aproveitados por nosso confrade MÁRIO JORGE em seu trabalho “O Outro Lado do Jazz”. O fascículo é acompanhado por CD com 03 faixas (“Peyote”, “Willow Weep For Me” e “Speed Ball”) com 40 minutos. A mesma coleção possui 02 fascículos dedicados a “Art Blakey”, o primeiro dos quais com referências a Lee Morgan e CD com 06 faixas, pouco mais de 63 minutos, das quais 04 foram gravadas em Estocolmo em 06/dezembro/1960 (“The Summit” tema de Wayne Shorter com magníficos solos do autor e de Lee Morgan, “Along Came Betty”, “Lester Left Town” e “Blues March”), enquanto que as 02 restantes foram gravadas em Tóquio no “Sankei Hall” em 02/janeiro/1961 (“It’s Only A Paper Moon” e “Nelly Bly”). O CD indica equivocadamente as 06 faixas como gravadas em Estocolmo. Essas mesmas 06 faixas estão no CD “Art Blakey’s Jazz Messengers – Blues March” da coleção “A Jazz Hour With....” da MoviePlay, que também indica equivocadamente a gravação como realizadas em 1961 na “Europa”. Sempre vale ouvir o poderoso e agradável rufo de canhota de Art Blakey “anunciando” cada “chorus”.

20. THE CHRONICLE OF JAZZ
Mervin Cooke - 1ª Edição - 1997 - Inglaterra
Destaque para Lee Morgan com foto e a gravação do álbum “SideWinder”.

21. JAZZ - LEGENDS OF STYLE
Keith Shadwick - 1ª Edição em 1998 - Inglaterra
Página inteira com foto dedicada a Lee Morgan, anexando mini-biografia. Tal como na obra já indicada de Richard Williams, este é livro de vulto, de luxo e de fôlego pela totalidade de músicos focados e da apresentação.

22. JAZZ
Mervyn Cooke - 1ª Edição - 1998 - Inglaterra
Página inteira dedicada a Lee Morgan, com indicação do clássico álbum “The Sidewinder”

Evidentemente que outras obras cuidam da biografia e da discografia de Lee Morgan, músico de exceção e com linguagem jazzística da mais alta qualidade. Mas cremos que com essas indicações iniciais nossos confrades Cjubianos terão bons e esclarecedores momentos de leitura.

Continua em (C), (D) e (E
) com a Mini-Discografia de Lee Morgan.

11 outubro 2007

JACQUES LOUSSIER TRIO - THEATRO MUNICIPAL - 10/10/2007 - @@@@@*

Cinco estrelas, coroado ? Nem me lembro há quanto tempo não atribuo cotação tão distintiva a algum concerto ou álbum.

É verdade que, na semana passada, Toots, improvisando, qualquer que fosse sua intervenção nesta última apresentação em um insuportavelmente espremido Canecão, mostrou que, apesar de branquelo, belga e um tanto fragilizado fisicamente, continua dominando a arte de improvisar com talento absolutamente comparável aos maiores mestres do Jazz: Milt, Parker, Bill, Coltrane, Stitt, Getz, e demais Deuses do Olimpo dos músicos, dos que realmente fizeram história no gênero. Toots fez e ainda faz história, apesar do trio sofrível e da inacreditável (e insuportável) "pedaleira sintetizada" do convidado "especial" Oscar Castro-Neves.

Mas ontem, Jacques Loussier (piano) e seu regular trio já de duas décadas, Andre Arpino (bateria) e Benoit Dunoyer De Segonzac (baixo) entregaram divino presente ao público carioca, que teve a sorte de, primeiro, ouví-los num Municipal reverente, contemplado com equalização perfeita e, acima de tudo, com um Steinway - valha-me, Senhor - soando como qualquer dos grandes instrumentos que aparelham as principais casas de concerto do mundo.

Envoltos nesta atmosfera perfeita - e raríssima no Rio de hoje - testemunhamos a glória de um gênio para quem a música não tem fronteira ou rótulo algum.

Bach, Vivaldi, Satie, Ravel, Debussy, Beethoven, Scarlatti, Chopin, para Loussier, poderão prestar-se tanto ao mais hermético Hogwood (e sua Academy of Anciente Music aprisionada nos instrumentos de época e na obsessão de reproduzir, ipsi literis, o passado), quanto a um venenoso, indefectível e prosaico blues em 4, como, de resto, a uma sedutora batucada, ou à sutileza da bossa, quiçá a um xote, acreditem !

No intervalo, inevitáveis comentários, acredito que dos mais tradicionais assinantes da produtora do espetáculo, a Dell'Arte (99% dedicada apenas à música clássica e ballet, através dos anos), acreditavam que "Sebastião" Bach "remexia-se no túmulo".

Meu pai, aliás, pianista clássico por mais de 7 décadas (completará 81 anos em novembro próximo) não escondeu certa estranheza quando, logo o segundo tema, uma "simples" Pastoral do "kantor", mereceu alentado solo de baixo, de quase 10 minutos (quase todo baseado nas harmonias de "Willow Weep for Me").

Mas um músico de verdade sabe reconhecer um gênio. E "Seu" Marcos (Benechis - ele nada tem deste Bene-X), que já conhecia bem Loussier de várias gravações, não se deixou impressionar com isto e sorveu, gota por gota, o néctar de cada variação, de cada idéia renovada, de cada releitura das partituras que conhecemos praticamente de cor, oferecidas, em autêntico banquete, pelo trio comandado, repito, pelo gênio francês.

Iniciada a "Festa de Babette" com o Prelúdio n. 1 do Cravo Bem Temperado (com base em que Gounod compôs sua Ave Maria), este ótimo aquecimento deu lugar à Pastoral já referida e esta, a seu turno, à famosíssima "Aria", populamente chamada "da quarta corda", da Suíte 4, para orquestra.

Seguiu-se, então, o primeiro tour de force da noite, encerrando a primeira parte, toda dedicada ao mestre alemão: nada mais nada menos que o Concerto de Brandeburgo n. 5, em seus 3 movimentos, cujo arrebatador final de certa forma "dobrou" alguns dos mais, digamos, "conservadores", de "narizes torcidos" para o bem-aventurado cross-over de Loussier, abençoado, desde os anos 50, por todas as platéias do mundo.

A segunda parte reservava um programa de fôlego, a princípio impensável para o já septuagenário pianista.

O Verão, Concerto em três movimentos, da universal série "As Quatro Estações", de Vivaldi traduziu toda a mais apurada e irretocável técnica que um virtuoso pode exibir, digna de um Michelangeli, ou, mais recentemente, Baremboim, Ashkenazy, Brendel e Pogorelich.

A coda final deu ao líder a oportunidade de explorar o tema central em todos os cromatismos possíveis e, ainda, tocá-lo, imaginem, à moda de Beethoven, Gershwin, Debussy, Mozart, Scarlatti, Schubert, Haydn, Liszt, em encadeamento incrivelmente perfeito e orgânico.

Veio, então, a grande surpresa da noite. A batidíssima Gimnopédie n. 1, de Eric Satie, serviu de interlúdio ao desafio final, o não menos afamado "Bolero", de Maurice Ravel. A melodia de Satie, que quase todos são capazes de assobiar - tamanha sua difusão - prestou-se, caros amantes do Jazz, à uma inusitada - e celestial - homenagem à Bill Evans, cujos clusters e modo característico de improvisar (aquele uso típico das escalas) foram recorrentemente evocados por Loussier. Ali, sinceramente, tudo poderia parar e o silêncio, ao fim, calaria fundo cada uma das almas presentes ao Municipal, na noite mágica de ontem.

Mas o trio desafiaria seus próprios limites, trazendo ousadíssmo arranjo para um peça que o próprio Jacques anunciou, em tom jocoso, parecera composta para "500" instrumentos. Disse ele: "Mas já que somos apenas três, faremos o nosso melhor".

E este "melhor" trouxe abaixo o teatro. A começar pela inesperada marcação, por Arpino, inicialmente apenas nos pratos, do ostinato criado por Ravel para a caixa (usada por Andre somente no final) pontuar toda a obra. Um único deslize, ali, compremeteria, como se sabe, toda a performance. Mas Arpino é um relógio de precisão suíça, aliando, a isto, criatividade e inventividade dignas da tradição de Daniel Humair, talvez o maior baterista da história do jazz francês.

A seu lado, compondo oposta simetria à barroca forma do "basso continuo" (que o cravo e/ou a viola-da-gamba outrora desempenharam), o baixista Benoit Dunoyer De Segonzac foi, todo o tempo - sem contar suas preciosas intervenções em solo - o contraponto ideal, perfeito e sem rival para a ícone que os lidera.

Trata-se de um trio que interage por telepatia, mas sem desprezar as virtudes individuais de cada um de seus luminosos componentes, o que Loussier faz questão de ressaltar, dando, com ímpar generosidade, amplo espaço a seus sidemen.

Contemplaram-nos, ainda, com encore dificílimo: mais uma peça de Bach de ofegante andamento, em que, todavia, Loussier usou e abusou, na velocidade da luz, das frenéticas escalas de Domenico Scarlatti, deixando, por fim, o destino, que De Segonzac, em alguns preciosos choruses, provocasse o êxtase, pelo menos meu, e, creio, também dos CJUBianos Sazz e Guzz, ao citar "So What" (Davis) e "La Fiesta" (Corea).

Jazz, Clássico, Música, Arte. Deus. Graças a Ele - e aos apóstolos (ou anjos) do Jacques Loussier Trio - tivemos ontem a graça de integrar uma histórica liturgia, comovente, arrebatadora e simplesmente inesquecível.

MONK TERIA 90, MONK PARA SEMPRE

Thelonious Sphere Monk (10 de outubro de 1917 - 17 de fevereiro de 1982) teria seus 90 anos celebrados hoje. Suas memoráveis composições não nos deixarão esquece-lo, são indestrutíveis como sua performance e seu estilo. Thelonious é um icone autentico do jazz americano. Único.

A influencia do seu jazz está presente até os dias de hoje em inúmeros músicos, mas, com certeza, é inimitável.

O vídeo abaixo é co-creditado a Cootie Williams e Bernie Hanighen.

Para nós é a assinatura de Monk.


08 outubro 2007

TOOTS - UM SHOW MAIOR

Quem viu viu, quem não viu não vê mais. O show de Toots Thielemans apresentado no Canecão no dia 4, foi um desses espetáculos inesquecíveis, que mostrou acima de tudo que,apesar da idade, o belga continua com o mesmo "drive",
senhor absoluto do dificil instrumento e um mestre na improvisaçáo . Oscar Castro Neves, o convidado especial,valorizou muito o espetáculo, mostrando no seu violão uma técnica irrepreensivel e dialogando com Toots de forma brilhante. Muito boa a seçao rítmica onde em minha opinião teve destaque o baterista Bruno Castellucci, eficiente nos acompanhamentos e brilhante nos solos. O repertório teve uma mistura de "standards" como "How high the moon", "Star Dust", "I loves you Porgy/Summertime " com nossa MPB representada por "Felicia e Bianca" (Oscar Castro Neves), Velas (Ivan Lins), "Samba de uma nota só" e "Wave" (Tom Jobm", além da indispensável "Blusette", carro chefe de Toots.

Postei esse pequeno comentário porque mais uma vez os nossos "críticos" não compareceram.
llulla

05 outubro 2007

COLUNA DO LOC


Caderno B, JB, 5 de outubro de 2007.
[ clique para ampliar ]
RETRATOS
06. LEE MORGAN (A)
BREVE HISTÓRIA, LONGA DISCOGRAFIA

INÍCIO - ETIQUETAS SEM FIM
Lee Edward Morgan, “Lee Morgan”, nasceu às 14.30 horas em 10/julho/1938 na cidade de Filadélfia, estado da Pensilvânia e faleceu, assassinado, às 02.45 horas do dia 19/fevereiro/1972 em New York, muito jovem, 34 anos incompletos e, portanto, com curta biografia, mas com carreira meteórica e extensa discografia (946 registros em menos de 16 anos = 04/novembro/1956 a 17/fevereiro/1972, alguns gravados e até hoje não lançados) que marcaram sua trajetória musical plena de inconfundíveis vigor, beleza e sonoridade.
Mesmo tendo sido a maior parte das gravações de Lee Morgan registradas para o selo “Blue Note” (leia-se sempre Alfred Lion fundador do selo e seu sócio Francis Wolff, alemães radicados nos U.S.A.) e nos estúdios do meticuloso, experiente e perfeccionista Rudy Van Gelder, os selos que gravaram e/ou distribuíram registros de Lee Morgan contam-se às dezenas: Alto, Bandstand, Baybridge, Bluebird (RCA), Colpix, DJM, Dragon, Europel, Fanfare, Fontana, Fresh Sound, Impulse, Jazzband, Jazz Hour, Jazzland, Jazz Unilimited, Liberty, Limelight, Mercury, Moon, Mosaic, New Sound, Ozone, Prestige, RCA, Riverside, Roulette, Royal Jazz, Savoy, Session Disc, Somethin’ Else, SPA, JHR, Specialty, TCB, Toshiba-EMI, Trip, United Artist, VAP Vídeo, Vee-Jay e VERVE.

O INSTRUMENTO - AS INFLUÊNCIAS
Voz imediatamente identificável no trumpete é merecidamente eleito e reverenciado como um dos grandes da segunda metade dos anos 50 do século passado ao lado de, mesmo sem comparar estilos, Freddie Hubbard, Blue Mitchell e Donald Byrd. Se ousarmos identificar descendentes de Lee Morgann, provavelmente e nos dias de hoje chegaremos ao excelente Roy Hargrove.
Seu único instrumento, o trumpete, foi por ele adotado a partir dos 14 anos e como presente recebido do pai, um mais que razoável pianista acompanhador de coros de gospel em igrejas.
O aprendizado de Lee Morgan na técnica e na sonoridade do trumpete baseou-se em persistência, entusiasmo e talento próprio, em sua própria cidade e na “Mastbaum Technical School For The Arts” (formou-se em 1956) onde teve como companheiro nada menos que Sonny Stitt (14 anos mais velho), já então um “bopper” que de alguma maneira inspirou Lee Morgan para o Jazz moderno.
Ouvir as interpretações de Lee Morgan é entender perfeitamente suas origens, por ele mesmo traduzidas com simplicidade e modéstia em entrevista durante 1958 (tradução livre):
Ainda não sou original, mas já possuo uma identidade que permite a um ouvinte de Jazz afirmar - este é Lee Morgan; basicamente meu estilo sofre fortes influências de Fats Navarro e de Clifford Brown, assim como de Miles Davis e de Dizzy Gillespie e, evidentemente, sem esquecer as origens de Bud Powell e de Charlie Parker. Penso que meu estilo definitivo se formará vivendo a música, com experiências e viagens, até tocar o que sou, minha própria imagem com o trumpete. Toco hard.bop porque sou extrovertido e essa música é característica de grupos formados por pessoas extrovertidas”.
Mesmo verbalizando todas essas influências, não há dúvida quanto ao fato de que Lee Morgan soube liberar-se dessas ascendências para imprimir-se motivações e aspectos autônomos, originais, em seus solos.
Esse aspecto modesto e reservado, sem descartar-lhe o bom humor, talvez tenha custado a Lee Morgan ao longo de sua carreira menos “marketing” da crítica que o reservado a músicos mais vaidosos.

BOAS COMPANHIAS
Com o aprendizado e já aos 15 anos (!!!...) Lee Morgan era figura habitual nas “jams” locais e organizava e dirigia seus conjuntos em bailes, o primeiro deles com o baixista "Spanky" DeBrest tocando no club "Music City". Por essa época desfrutou da presença de ícones conterrâneos e dos que visitaram a cidade, a saber e entre outros: John Coltrane, Benny Golson (com quem viria a atuar anos depois no grupo de Dizzy Gillespie e nos “Jazz Messengers” de Art Blakey), Clifford Brown, Art Blakey, todos já exaltando-o como um talento emergente e a ser considerado no cenário do “hard.bop” que dominava o Jazz de então, o que causou a difusão de seu nome entre os demais músicos.
Em outubro/1956, Dizzy Gillespie contratou Lee Morgan para sua banda, onde permaneceu até janeiro/1958; ai Lee Morgan atuou ao lado de Benny Golson e deixou registrada sua participação em diversos álbuns.

PRIMEIRA GRAVAÇÃO
Mas antes de gravar com Gillespie e com apenas 18 anos e 04 meses de idade Lee Morgan gravou pela primeira vez, como titular de quinteto e com o “pé direito”: estúdio de Rudy Van Gelder em Hackensack / New Jersey, 04/novembro/1956, selo Blue Note para o álbum “Lee Morgan Indeed !” e acompanhado “apenas” por Clarence Sharpe (sax.alto), Horace Silver (piano), Wilbur Ware (baixo) e Philly Joe Jones (bateria).
No dia seguinte (05/novembro) no mesmo estúdio e para o selo Savoy, Lee Morgan grava com o quinteto de Hank Mobley as 04 faixas (mais “alternate take”) para o álbum “Introducing Lee Morgan With Hank Mobley Quintet”, com ele ao trumpete e mais Hank Mobley (sax.tenor), Hank Jones (piano), Doug Watkins (baixo) e Art Taylor (bateria). A terceira faixa é um “medley” de uma beleza superior com 04 temas já por si lindíssimos: “Softly As In A Morning Sunrise”, “P.S. I Love You”, “Easy Living” e “That's All”.
Em seguida e no dia 07/novembro Lee Morgan grava com o mesmo quinteto e, ainda com a titularidade de Hank Mobley mas com “cozinha” modificada (Horace Silver / piano, Paul Chambers / baixo e Charlie Persip / bateria), Lee retorna em 25/novembro ao estúdio de Rudy Van Gelder para novos registros.
Também no final de novembro/1956 (??? e/ou início de dezembro/1956 ???) é que Lee Morgan grava pela primeira vez com a banda de Gillespie, para o selo “Fanfare” e em apresentação ao vivo no “Birdland”, em formação que conta com a trombonista Melba Liston no naipe de metais. Para o mesmo selo a banda de Gillespie é gravada em transmissão radiofônica tomada diretamente do “Birdland” (Mutual Broadcast "Bandstand USA") no início de dezembro/1956.

HERMOSA BEACH - ART BLAKEY
No início de 1957 Lee Morgan atua e grava (14 e 17/fevereiro) em Hollywood / LA para o selo Liverty no reduto de Howard Rumsey, o “Lighthouse”.
Mesmo ainda participando da banda de Gillespie, em 02/abril/1957 e em New York nos estúdios da RCA Lee Morgan grava pela primeira vez com os “ABJM” (Art Blakey Jazz Messengers), união que se firmará a partir de 1958 com incontáveis apresentações, gravações e diversas excursões à Europa, onde também ficarão registradas gravações antológicas de um Lee Morgan sempre em ascensão técnica, emocional e carismática: em Scheveningen / Holanda (19/novembro/1958), em Paris (22/novembro, 17, 18, 19 e 21/dezembro/1958), em Copenhaguem (05/novembro/1959), novamente em Paris (15/novembro/1959), em Estocolmo (23/novembro/1959), em Berlim (29/novembro/1959), mais uma e pela penúltima vez em Paris (18/dezembro/1959), novamente em Estocolmo em 1960, Lausane (08/dezembro/1960), em Tóquio (02 e 11/novembro/1961), em Manchester (06/maio/1961), pela última vez em Paris (13/maio/1961) e, finalmente e pela derradeira vez no exterior, em Londres (07/março/1965). Essas apresentações com gravações no exterior estão entremeadas na carreira discográfica de Lee Morgan com centenas de gravações nos Estados Unidos, em estúdio e ao vivo, o que está comentado adiante.
Conta Art Blakey que Lee Morgan além de músico superior era habitualmente bem humorado, conforme indicamos anteriormente, e em determinada apresentação no "Club Saint Germain" em Paris após seu solo no tema “Politely” ao invés de agradecer aos aplausos virou-se de costas para o público: no início surpreso, Art Blakey só depois notou que Lee tinha um cartaz nas costas com os dizeres “Thank You”.

I REMEMBER CLIFFORD
Em 24/março/1957 e pela primeira vez Lee Morgan deixa registrados no álbum “Lee Morgan Volume Three” 07 minutos de pura magia com o clássico de Benny Golson “I Remember Clifford” (tema que voltou a gravar em 14/junho/1957, em 06 e 08/julho desse mesmo ano e em 09/novembro/1958).
Em abril/1957 Lee Morgan grava sob a titularidade de Johnny “Little Giant” Griffin e para o selo Blue Note um álbum antológico (“A Blowing Session / Johnny Griffin”) e com formação de primeira grandeza: Johnny Griffin, John Coltrane e Hank Mobley (saxes.tenor), Wynton Kelly (piano), Paul Chambers (baixo) e Art Blakey (bateria), evidentemente com Lee ao trumpete. Destaque para 02 faixas exuberantes, ambas clássicos de Jerome Kern: “The Way You Look Tonight” (com Dorothy Fields) e “All The Things You Are” (com Oscar Hammerstein II). É um marco para a sonoridade “selvagem” de Lee Morgan.
Ainda em 1957 e em New York grava sessões com Dizzy Gillespie (07 e 08/abril, 14/junho e 08/julho), em seu nome (sexteto em 25/agosto, quinteto em 29/setembro e quarteto em 18/novembro) e, também, com o eterno Jimmy Smith ao órgão (25/agosto) e com o altista Ernie Henry (15/setembro), na mesma data em que grava com Coltrane, em formação que reune o trombone de Curtis Fuller e uma poderosa “cozinha” no estúdio de Rudy Val Gelder: Kenny Drew / piano, Paul Chambers / baixo e Philly Joe Jones / bateria.

COM OS "JAZZ MESSENGERS"
De 30/outubro/1958 no estúdio de Rudy Van Gelder para a Blue Note e até 13/maio/1965 em New York e para o selo Limelight, Lee Morgan participará de 49 sessões de gravação com o ABJM (Art Blakey Jazz Messengers), em estúdio, tomadas de transmissões radiofônicas e ao vivo, já relatadas anteriormente: 15 nos estúdios de Van Gelder, 15 em diferentes estúdios de New York, 07 em Paris, 02 em Estocolmo, 02 em Tóquio e 01 em Hollywood, Newport, Holanda, Copenhaguem, Berlim, Lausane, Manchester e Londres. Entre essa 49 sessões de gravação Lee Morgan participou de diversas outras, como titular e como “sideman”, mas em quantidade bem menor que aquelas registradas sob a titularidade de Art Blakey.
Também entre essas sessões ocorreu um intervalo de pouco mais de 02 anos entre julho/1961 e dezembro/1963, já que Lee Morgan nesse espaço participou apenas de 05 sessões de gravação: () a 24/janeiro/1962 em New York com Clifford Jordan (tenor), Barry Harris (piano), Bob Cranshaw (baixo) e Louis Hayes (bateria), () a 17/novembro/1962 também em New York com Jimmy Heath (tenor), Barry Harris (piano), Spansky DeBrest (baixo) e Al Heath (bateria), () a 02/outubro/1963 no estúdio de Rudy Van Gelder em quinteto com Hank Mobley (sax.tenor), Andrew Hill (piano), John Ore (baixo) e Philly Joe Jones (bateria), () a 21/novembro/1963 novamente no reduto de Van Gelder em sexteto liderado pelo trombonista Grachan Moncur III mais Jackie McLean (sax.alto), Bobby Hutcherson (vibrafone), Bob Cranshaw (baixo) e Tony Williams (bateria) e () com Van Gelder a 21/dezembro/1963 em seu tradicional estúdio de Englewood Cliffs / New Jersey para deixar registrado para a Blue Note, entre outros, o álbum sucesso de vendas com o tema de sua autoria “The Sidewinder”, acompanhado por Joe Henderson (tenor), Barry Harris (piano), Bob Cranshaw (baixo) e Billy Higgins (bateria), em que este é o apoio permanente para o desenvolvimento de Lee Morgan nesse blues de 24 compassos.
Durante esse intervalo Lee Morgan ficou praticamente todo o tempo em sua terra natal afastando-se de problemas com as drogas.

ÊNFASE NA CARREIRA SOLO - CARACTERÍSTICAS
Após desligar-se de Art Blakey (ainda que este posteriormente participasse de gravações de Lee como líder) e seguindo sua carreira solo, Lee Morgan gravou diversos outros álbuns para o selo Blue Note sempre com sucesso de público, crítica e vendas: sem esgotar esses “milestones”, podemos citar “Leeway” de abril/1960 (Jackie McLean, Bobby Timmons, Paul Chambers e Art Blakey), “Search For The New Land” de fevereiro/1964 (Wayne Shorter, Grant Green, Herbie Hancock, Butch Warren e Billy Higgins), “Cornbread” de setembro/1965 (Hank Mobley, Herbie Hancock, Larry Ridley e Billy Higgins), “Standards” de janeiro/1967 (James Spaulding, Wayne Shorter, Pepper Adams, Herbie Hancock, Ron Carter e Mickey Roker) e “The Procrastinator” em julho/1967 (Wayne Shorter, Bobby Hutcherson, Herbie Hancock, Ron Carter e Billy Higgins).
Nesses albuns temos faixas com solos absolutamente perfeitos de Lee Morgan: técnica no mais alto nível, entusiasmo e garra sem esquecer o lirismo quando necessário, domínio absoluto da digitação, efeitos de meios pistões, glissandos, controle do vibrato, intensa e perfeitamente timbrada sonoridade até nos agudos mais extremos, inventividade lógica nas improvisações com ataques sempre bem colocados, sucessão de frases curtas e em outros momentos em “legato”, mas com swing latente; enfim um “senhor músico”.

RELACIONAMENTO - PROTESTO
Em 1967 Lee Morgan inicia seu relacionamento com Helen Moore, ele com 29 anos e ela com 42 anos.
Entrando na década de 70 do século passado, Lee Morgan une-se ao multi-instrumentista Roland Kirk em apoio à luta pela melhoria das condições de trabalho dos músicos americanos, na associação “Jazz And People Movement”, que culmina na promoção de um “antifestival” em protesto à baixa remuneração e às leoninas cláusulas contratuais do festival de Newport.

ÚLTIMAS GRAVAÇÕES - ÚLTIMA GRAVAÇÃO
Em 1971 e 1972 Lee Morgan participou de 06 sessões de gravação: 17/setembro/1971, 18/setembro/1971, 30/setembro/1971, 01/outubro/1971, 28/janeiro/1972 e, finalmente e em sua derradeira sessão de gravação, em 17/fevereiro/1972 no estúdio de Rudy Van Gelder tantas e tantas vezes freqüentado, com a “Charles Earland Orchestra” e cordas nos temas “Morgan” e “Speedball”, que foram lançados pelo selo Prestige e Fantasy.
Lee Morgan faleceu com 33 anos, assassinado no dia 19/fevereiro/1972 por sua ex-companheira Helen Moore, com a qual havia vivido por praticamente 05 anos e com quem havia rompido o relacionamento. Lee apresentava-se na ocasião com seu quinteto no “Slugs Club”, em Manhattan e, entre 02 “sets” discutiu seguidamente com Helen no balcão do bar, tudo presenciado por testemunhas entre as quais e em especial pelo baterista Billy Hart; ela decidida a reatar o relacionamento e ele decidido à não reconciliação; ela saiu do clube e ele subiu ao palco para o “set” final, onde tocando o último tema da noite foi surpreendido com o retorno de Helen que retirou um revolver calibre 32 da bolsa e disparou seguidamente em Lee, ferindo-o de morte.
Foi-se, tão jovem, um músico de exceção, sucessor de uma pequena dinastia de grandes no trumpete (e no flugehorn), deixando, felizmente para todos os amantes da boa música, alentada discografia.

Continua em (B), Filmografia e Bibliografia