Editores e Colaboradores : Mauro Nahoum (Mau Nah), José Sá Filho (Sazz), Arlindo Coutinho (Goltinho); David Benechis (Bené-X), José Domingos Raffaelli (Mestre Raf) in memoriam, Luciana Pegorer (PegLu), Luiz Carlos Antunes (Llulla) in memoriam, Ivan Monteiro (I-Vans), Mario Jorge Jacques (MaJor), Gustavo Cunha (Guzz), José Flavio Garcia (JoFla), Alberto Kessel (BKessel), , Gilberto Brasil (BraGil), Reinaldo Figueiredo (Raynaldo), Claudia Fialho (LaClaudia), Marcelo Carvalho (Marcelón), Marcelo Siqueira (Marcelink), Pedro Wahmann (PWham), Nelson Reis (Nels), Pedro Cardoso (o Apóstolo) e Carlos Augusto Tibau (Tibau).

BLOG CRIADO em 10 de maio de 2002

04 agosto 2007

MORRE ART DAVIS


LOS ANGELES , 4 ago 2007 (AFP) - O contrabaixista de jazz americano Art Davis, que tocou junto com John Coltrane, Thelonious Monk e Duke Ellington, faleceu aos 73 anos, na Califórnia (oeste), informou o jornal "Los Angeles Times" nesse sábado. Davis sucumbiu a uma crise cardíaca, em 29 de julho, em sua casa de Long Beach (40 km ao sul de Los Angeles), disse ao jornal seu filho Kimaili Davis. Davis conheceu Coltrane no final dos anos 50, no Harlem, um bairro de Nova York, e os dois se tornaram amigos. Seu contrabaixo é ouvido em vários discos do
saxofonista.Também tocou com músicos renomados como Dizzy Gillespie, Louis Armstrong, Count Basie, Quincy Jones ou Bob Dylan. De gosto eclético, interessou-se pela música clássica e colaborou com prestigiosas orquestras, como as filarmônicas de Nova York e de Los Angeles. Art Davis, que antes de se instalar na Califórnia obteve tardiamente (em 1982) um doutorado de psicologia da Universidade de Nova York, administrava em paralelo suas carreiras de músico e de terapeuta.

......................................................................

PS. Davis é detentor de um dos solos mais fascinantes de contrabaixo que já ouvi, em apenas 56 segundos. O álbum (Inception/1962/Impulse) - está entre os que eu levaria para uma ilha deserta - é igualmente deslumbrante, liderado por McCoy Tyner e que tinha ainda Elvin Jones. A faixa em questão é Effendi (Tyner). Segundo Ahmad Jamal, Davis foi um gênio não reconhecido, talvez por ter sido um "blacklisted" no início dos anos 70 em razão de suas posições sempre firmes contra o racismo nos EUA.




Nenhum comentário: